Jjakpae [2006]

10922712_800

Não me vou alongar sobre a minha ausência, mas como qualquer ser humano normal, por vezes desejava que o dia tivesse 48 horas, e assim tínhamos tempo para tudo.

Óbvio que não ando afastado do cinema, e tenho conseguido ver alguns filmes mas são sempre daqueles filmes que não vale a pena tecer um comentário pois para isso existem milhões de site da especialidade.

Finalmente na última semana tive tempo para me sentar, escolher um dos 100 filmes que tenho para ver e escolher um totalmente aleatório.

Quis o destino que o filme que havia de sair na “rifa” fosse o Jjakpae um filme que já tinha andado a enamorar a muito tempo mas até ser o escolhido para ver nem lembrava dele.

Jjakpae(City of Violence) é um daqueles filmes que dá gosto ver, um filme de acção e porrada sem fim. Tem tudo o que se procura num filme de esse género.

Ora a história será algo como Tae-Su [Doo-hong Jung] volta a sua cidade natal para o funeral do seu melhor amigo do secundário, ao investigar a morte do mesmo descobre que algo está errado. Sendo assim junta-se a Seok-hwan para ir até ao fundo da questão, aqui começa a porrada e os tributos, vai desde o mítico filme do Walter Hill “Warriors” até a banda sonora de westerns, sempre num estilo de videojogo em que os nossos “heróis” tem que lutar por vários níveis até chegar ao boss final.

Em modo geral Jjakpae não tenta ser complexo, dramático ou cheio de truques de karaté cheios de técnica, tenta sim ser um filme que diverte e nesse aspecto só tenho a dizer: Missão Cumprida!

Nota: 7/10

[Tripla Dose] Filmes Asiáticos

Deixei por algum tempo os filmes de terror de lado, para não enjoar do género e voltei a atacar os filmes do mercado coreano, tive a oportunidade de ver alguns nos últimos dias, deixo destaque para 3 deles.

rough cut

Yeong-hwa-neun yeong-hwa-da [Rough Cut] – 2008

O mercado asiático como se sabe está cheio de filmes de gangsters e de terror, ora Rough Cut não é um filme de gangsters convencional. A história gira em torno de um actor que tem tiques de estrela, e depois de 2 acidentes no set de filmagens fica sem nenhum actor que queira trabalhar com ele, ficando em risco assim não terminar o filme. Por coincidência tem um encontro com um gangster chamado Lee Kang-Pae [Ji-Sub So interpretação demasiado boa ou ruim? mais a frente irei desenvolver] e convida-o para entrar no filme dele. Lee Kang-Pae acaba por aceitar com uma condição, as lutas não serão fictícias mas sim reais, as lutas até acabam por ser bem passadas mas não é certamente um filme de acção. Ao longo da história o nosso actor vai tornado-se cada dia mais estrela, deixando por vezes em risco o filme, enquanto o oposto acontece a Lee Kang Pae que fica cada dia que passa mais humano. E é aqui que fica no ar a questão sobre o Sr.Ji-Sub So pois a expressão durante o filme é sempre a mesma, não me consegui decidir se era digno de Óscar, ou de Razzie. O final do filme vai contra todas as expectativas mas deixa um mensagem forte, nunca confundir a vida real com o mundo do cinema.

Destaque também para a banda sonora que dá outro ar ao filme,sem dúvida um filme que merece ser conhecido por esse mundo fora.

Nota: 8/10

the_secret_reunion_poster02

Ui-hyeong-je [Secret Reunion] – 2010

Realizado por Hun Jang que esteve por detrás das câmaras no filme que falei anteriormente, foi uma das razões para procurar e ver Secret Reunion. Enquanto esperamos por uma nova guerra entre a Coreia do Norte e a do Sul, vamos ficando aqui com filmes que retratam esse assunto. A história gira a volta de 2 espiões, um sul coreano e outro norte coreano, por razões distintas, o espião sul coreano acaba por ser demitido dos serviços secretos depois de uma operação mal calculada, o norte coreano acusado de traição pelo seu superior não pode voltar a “grande nação”. Depois de esse incidente, passam-se 6 anos, numa altura que Lee Han-kyu[espião sul coreano] encontra-se numa situação complicada, acaba por ser salvo por Song Ji-won[espião norte-coreano] e acabam por trabalhar juntos, aqui o filme torna-se mais cómico, ao vermos que os dois espiões não se esqueceram do seu passado e continuam a espiar-se mutuamente, um pouco momentos Spy vs Spy. Um filme com uma boa dose de acção, drama e comédia, é o suficiente para nos manter entretidos durante 2h.

Nota: 7/10

Hoi-sa-won [A Company Man] – 2012

a company man

Para último deixo Hoi-sa-won um perfeito exemplo de que o cinema asiático também pode estagnar em termos de ideias originais. Recomendado por um utilizador do site imdb.com, depois de ter concordado com a ideia que Rough Cut era um lufada de ar fresco. Hoi-Sa-Won é precisamente o contrário, a história de um super assassino já tá mais que batida, e um super assassino com sentimentos já lhe perdi a conta. O filme caminha pelo lado mais fácil, a história de um assassino que depois de um trabalho começa a ganhar sentimentos e no fim acaba por se revoltar contra a companhia já conhecemos. As cenas de acção também não acrescentam nada de novo, parecendo por vezes que o realizador Sang-yoon Lim tenta imitar Michael Mann na sua forma de filmar mas faz de uma maneira totalmente amadora.

Como o próprio utilizador me disse ” I recommend a company man, movie just like man from nowhere ” , sem dúvida que é parecido para não dizer quase igual, mas Aejossi na altura deixou-me fascinado já este foi para esquecer.

Nota:5/10