Most Likely to Die [2015]

most_likely_to_die_poster_usa

Esta historia já aconteceu a todos nos, esta a chegar a nossa folga depois de uma semana “dura” de trabalho, estamos ansiosos por ir pela nossa colecçao de blu rays/dvd e escolher um para ver no conforto no nosso lar, mas quando acordas nesse dia estas a morrer com uma doença sazonal e pensas “porra já me estragaram os planos”, começas te a arrastar para fora da cama ate ao sofá, pegas no comando de televisão, nada de jeito na TV. Neste momento lembras-te de todo o teu plano para ver filmes mas a estante parece que está quase do outro lado do mundo, então tens a brilhante ideia “deixa-me ver se há novidades no netflix secção terror”.

Depois de umas três voltas apercebes-te que já viste quase tudo o que ali esta, então salta a vista a capa do Most Likely to Die, lés o resumo do filme “Na noite anterior a uma reunião de dez anos de graduação, alguém está aguardar com ansiedade para se vingar. Um a um, os ex-colegas de turma são assassinados”. Jackpot! pensas tu, um filme no-brainer, slasher não tem que enganar e com sorte ainda vemos umas mamas.

Quando o filme acaba pensas que a tua doença neste momento e o menor dos teus males, o mal do mundo actual e que ainda se perde dinheiro a fazer este tipo de filmes. Eu adoro slashers são provavelmente o meu estilo favorito de terror, sei que e difícil trazer ideias novas para este estilo mais que saturado, eu ate já aceito que a formula seja repetida, o que não aceito e que se façam filmes como este. Personagens sem sal, não há mamas, o twist final provavelmente e a ideia mais estúpida que vi nos últimos tempos,tenta fugir do comum para se tornar ainda mais ridículo. Mas existe alguma coisa que se aproveita neste filme? Claro que sim, os créditos final e o final do nosso sofrimento.

Agora percebe-se o titulo “Most Likely to Die” depois de verem este filme.

 

[Especial Motel X 2014] Wolf Creek 2 [2013]

wolf-creek-2-mondo-poster

Sinopse: Atraído pela promessa de umas férias na Austrália, o estudante britânico Paul visita a Cratera de Wolf Creek, mas a sua aventura de sonho vai dar lugar a uma realidade horrífica quando se cruza no caminho do psicopata Mick Taylor. Ao constatar a verdadeira extensão da monstruosidade de Mick, a única hipótese de sobrevivência de Paul é tentar ser mais esperto do que o homem por detrás do monstro.

Oito anos depois do «Wolf Creek» original, e depois de dirigir um filme de crocodilos («Rogue», MOTELx 2009), Greg McLean traz de volta o infame Mick Taylor. Desta vez, o assassino assume o papel de protagonista desde o prólogo, adicionando-se algum humor (muito negro e sangrento) à narrativa.

Exibição:

Qui 11 · 16h30
Sala Manoel de Oliveira

Oito anos passaram desde o primeiro “Wolf Creek”, uma experiência que nunca mais me vou esquecer. O ano era 2005/6 já havia acesso a filmes como há hoje mas não de uma forma tão directa, logo existe um vídeo clube chamado “Blockbuster” numa tarde com amigos decidimos ir alugar um filme, com a minha mania de ser alternativo e na altura corria um burburinho a volta de “Wolf Creek” levei a minha avante e contra todos trouxe o filme para casa.. até hoje nunca ninguém me perdoou o tempo que perdemos a ver o mesmo.

Admito que não me lembro nem de um minuto do primeiro filme, logo é normal que a minha expectativa para ver o segundo fosse pouco ou nenhuma.

Wolf Creek 2 é um slasher/hunter vamos lhe chamar assim, vamos inventar novos nomes para parecer que o filme trás algo de novo ao mundo de terror.

Na sinopse roubada gentilmente ao Motelx dá-nos a ideia que vamos ter um filme com só duas personagens, mas antes de isso Mick faz questão de deixar alguns corpos para trás, antes de entrar num jogo de tortura com Paul.

Mick Taylor carrega o filme as costas com o seu humor negro e racista, e por vezes a fazer-me lembrar o meu vilão favorito de todos os tempos Freddy Krugger.

Wolf Creek 2 ao contrário do primeiro deixa-me lembranças, e hoje nem necessitamos de um vídeo clube para o vermos.

No One Lives [2012]

no-one-lives-movie-poster-26

Quis a ironia do destino que o filme que escolhi para ver de modo a fazer uma pausa nos filmes de terror asiáticos fosse um filme realizado  por um realizador japonês mas virado directamente para o público americano.

No One Lives é um filme realizado então por Ryûhei Kitamura[tem no currículo filmes como Azumi,Versus] e é financiado pelos estúdios da WWE.

Mais uma vez vemos um realizador a optar pelo seguro e a fazer um slasher a moda antiga. Um casal é interceptado por um grupo de assaltantes que depois de matarem a sua namorada, soltam o “louco” que vive dentro de actor Luke Evans que como em todos os filmes de serial killers/slashers é um assassino cheio de técnicas e toques de invencível.

Não deixa de ser um filme interessante mesmo que não acrescente nada de novo ao género mas também não chega para inventar a roda.

Se procuram um filme com aquele sentimento de terror slasher anos 80 este é o filme ideal.

Nota: 6/10

Detention [2011]

MV5BMTk5NzMxMDA1Nl5BMl5BanBnXkFtZTcwODM3MDcxNQ@@._V1_SY317_CR12,0,214,317_

História: Este filme de comédia/terror é sobre um grupo de adolescentes que vão para a escola secundária Grizzly Lake. Quando um dos seus colegas de turma é morto por alguém vestido como “Cinderhella” (um personagem de um filme de terror popular) estão todos sob suspeita.

Review: Depois de quase uma semana de festejos devido ao aniversário do Alucard’s Corner com bebidas e bolos e direito a primeiras páginas em todos o jornais do mundo, voltei a ver filmes.

Para se ver Detention não aconselho que estejam sobre efeito de drogas, álcool ou os seus derivados. Este filme é quase como um trip psicadélica em que tudo passa a uma velocidade estonteante e nem temos tempo de associar as personagens que entram no mesmo. Um filme que segue o caminho de tributo aos slashers dos anos 80/90’s mas que também usa referencias descaradas ao cinema de 2000 para frente. Igual a tantos outros em termos de história, mas original na forma como essa mesma foi montada. Chega por momentos a ser um pouco confuso, se não estivermos atentos a todos os pormenores. Um filme que satisfaz e deixa no ar as saudades dos anos 90´s com a suas músicas e referencias.

Nota: 6.5/10