Starry Eyes [2014]

 

starry-eyes-poster

Sinopse: “Determinada a conquistar o seu lugar em Hollywood, Sarah, uma jovem aspirante a actriz, passa os seus dias entre o emprego como criada num restaurante, o convívio com os seus amigos artistas (e concorrentes) e idas a castings na esperança que chegue a sua grande oportunidade. Após uma série de estranhas entrevistas para uma bizarra produtora, Sarah consegue o papel principal num filme. Mas esta oportunidade traz consigo um preço, que irá transformar Sarah, física e mentalmente, em algo belo e terrífico.

Do mesmo produtor de «Cheap Thrills» (MOTELx 2013), este filme da dupla Dennis Widmyer e Kevin Kolsch é uma história sobre ambição, possessão e o verdadeiro preço da fama.”

Ainda ando a vasculhar a programação do Motelx 14, como em regra geral não acompanho sites de noticias e etc,nunca sei o que se passa no mundo do terror logo nada melhor que consultar os programas dos festivais.

Falando sobre o filme em si, temos aqui mais um filme com dupla personalidade. Um filme que explora o satanismo tema que começa novamente a ganhar novo fôlego, depois de ter tido tão usado e bem sucedido nos anos 70, mas que não se consegue deslocar de forma alguma de uma colagem ao “Rosemary’s Baby” .

Mesmo com a colagem mais básica o filme tem as suas virtudes, principalmente no desenvolvimento das personagens, onde cada um dos protagonistas consegue mostrar o que de pior o ser humano tem para oferecer.

Acaba por ser uma estreia agridoce mas ao mesmo tempo prometedora por vezes é melhor começar por um produto já usado para mais tarde oferecer algo mais vistoso.

 

Anúncios

[Especial Motel X 2014] Wolf Creek 2 [2013]

wolf-creek-2-mondo-poster

Sinopse: Atraído pela promessa de umas férias na Austrália, o estudante britânico Paul visita a Cratera de Wolf Creek, mas a sua aventura de sonho vai dar lugar a uma realidade horrífica quando se cruza no caminho do psicopata Mick Taylor. Ao constatar a verdadeira extensão da monstruosidade de Mick, a única hipótese de sobrevivência de Paul é tentar ser mais esperto do que o homem por detrás do monstro.

Oito anos depois do «Wolf Creek» original, e depois de dirigir um filme de crocodilos («Rogue», MOTELx 2009), Greg McLean traz de volta o infame Mick Taylor. Desta vez, o assassino assume o papel de protagonista desde o prólogo, adicionando-se algum humor (muito negro e sangrento) à narrativa.

Exibição:

Qui 11 · 16h30
Sala Manoel de Oliveira

Oito anos passaram desde o primeiro “Wolf Creek”, uma experiência que nunca mais me vou esquecer. O ano era 2005/6 já havia acesso a filmes como há hoje mas não de uma forma tão directa, logo existe um vídeo clube chamado “Blockbuster” numa tarde com amigos decidimos ir alugar um filme, com a minha mania de ser alternativo e na altura corria um burburinho a volta de “Wolf Creek” levei a minha avante e contra todos trouxe o filme para casa.. até hoje nunca ninguém me perdoou o tempo que perdemos a ver o mesmo.

Admito que não me lembro nem de um minuto do primeiro filme, logo é normal que a minha expectativa para ver o segundo fosse pouco ou nenhuma.

Wolf Creek 2 é um slasher/hunter vamos lhe chamar assim, vamos inventar novos nomes para parecer que o filme trás algo de novo ao mundo de terror.

Na sinopse roubada gentilmente ao Motelx dá-nos a ideia que vamos ter um filme com só duas personagens, mas antes de isso Mick faz questão de deixar alguns corpos para trás, antes de entrar num jogo de tortura com Paul.

Mick Taylor carrega o filme as costas com o seu humor negro e racista, e por vezes a fazer-me lembrar o meu vilão favorito de todos os tempos Freddy Krugger.

Wolf Creek 2 ao contrário do primeiro deixa-me lembranças, e hoje nem necessitamos de um vídeo clube para o vermos.

[Especial Motel X 2014] Killers [2014]

killers-jpindo-film-poster

Sinopse: O Sr. Nomura é um elegante e bem vestido assassino em série que ataca as mulheres de Tóquio. Em Jacarta, cansado da vida, um jornalista chamado Bayu torna-se justiceiro, depois de assassinar brutalmente dois ladrões sádicos. Quando os dois colocam vídeos dos respectivos massacres online, descobrem-se um ao outro na internet, iniciando-se um duelo competitivo. Enquanto Bayu considera desistir e voltar à sua vida normal, Nomura continua a derramar sangue sem remorsos.
 
«Killers» marca o regresso ao MOTELx da dupla de realizadores Timo Tjahjanto e Kimo Stamboel, mais conhecidos como Mo Brothers, depois de «Macabre» (2009). Tjahjanto também dirigiu segmentos de «V/H/S/2» e «The ABCs of Death».

Exibição: 

Sex 12 · 00h30
Teatro Tivoli BBVA

Dom 14 · 14h15
Sala 3

No segundo filme chegamos finalmente ao terror, um terror mais psicológico e sangrento o meu favorito diga-se de passagem. Nos primeiros cinco minutos somos logo bombardeados com uma violência gráfica de levar qualquer estômago mais sensível a dar uma volta completa.

Killers é um sem dúvida um boa surpresa, a história não é original, pois já vimos diversas vezes que todos os seres humanos tem maldade dentro de si, e só estão a espera que esse lado seja “ligado” para se tornarem em completos animais sedentos de sangue. Em Killers essa versão fica a cargo de Bayu um jornalista inocente que depois de um assassinar brutalmente dois ladrões o seu lado mais obscuro acaba por vir a tona. Fica a nota de registo que a cena do táxi é sem duvida muito interessante com momentos de total sufoco.

Se por um lado até podemos simpatizar com Bayu por tentar representar um justiceiro para justificar as suas mortes, no lado oposto temos Nomura um psicopata sem remorsos que não mostra qualquer arrependimento na suas atitudes e ficamos a desejar a sua morte de uma forma penosa.

O filme tem alguns momentos parados por momentos parece que se está arrastar, até se aproximar o final do filme, quando esse momento acontece parece que temos ali 3 finais possíveis que os realizadores não conseguiram decidir qual utilizar então usaram todos.

Killers mostra-nos também que todas as nossas acções são punidas por consequências, não existe justiceiros no mundo que não acabem por pagar pelos seus “crimes”.

[Especial Motel X 2014] Bad Milo! [2013]

milo_ver2_xlg

Sinopse: “O tremendo stress que sufoca Duncan resulta numa insuportável reacção gastrointestinal. Quanto todas as opções se esgotam, decide procurar a ajuda de um hipnoterapeuta que o ajuda a descobrir a raiz da sua dor: um pequeno demónio que vive no seu intestino e que, perante ansiedade excessiva, sai do seu recto com intenções homicidas.
 
«Bad Milo!» é um monster film de algum modo inspirado por «The Brood», de David Cronenberg, mas também uma homenagem a filmes como «Gremlins» (1984) e «Critters» (1986). Tal como nesses clássicos dos anos 80, Milo é 100% orgânico, movendo-se com recurso a marionetes e animatrónica. A estreia mundial foi no SXSW Film Festival.”

Exibição: Dom 14 · 00h00 – Sala 3

Está oficialmente aberto as festividades do Motelx 14 aqui neste blogue de referência internacional e universal….

Depois de uma piada a fazer lembrar a abertura daqueles prémios comprados pelos estúdios vamos ao que realmente importa aqui. Bad Milo é um filme de comédia/horror um género que ultimamente tanto na moda tem estado.

Este filme pode ser facilmente dividido no “é pá isto é mesmo engraçado” , e também naquela fase em que começamos a brincar com o telemóvel e a ver quanto tempo falta para acabar o filme.

Ora a parte boa é o Milo! Desde o tempo dos Gremlins [estou claramente a exagerar mas de repente não me lembro de nenhum filme] que não existe um “vilão” tão feio como adorável. Não sendo feito a computador dá aquela aura ao filme dos anos 80’s logo será a melhor forma de chamar a atenção para o filme.

A parte menos boa talvez seja a história, novamente um filme com 1h30 tem que ter mais algum conteúdo que só umas piadas de um boneco a sair por um recto e provocar dores a qualquer um de nós que esteja a visualizar o filme.

Bad Milo! facilmente faz lembrar Gremlins mas obviamente que consegue ganhar o seu próprio espaço, pois também não gostava de ver Gizmo a ser totalmente devorado por Milo.

Life After Beth [2014]

trailer-fo-the-zombie-comedy-life-after-beth-with-aubrey-plaza

Sinopse :

Zach está inconsolável devido à inesperada morte da namorada, Beth. Quando esta regressa miraculosamente à vida, Zach quer aproveitar ao máximo esta segunda oportunidade que o destino lhe concedeu. Mas a “nova” Beth não é bem a pessoa que era anteriormente, e a vida de Zach não vai propriamente melhorar.
 
Esta primeira obra de Jeff Baena, co-argumentista de «I Heart Huckabees» de David O’Russell, e que conta com as presenças dos veteranos John C. Reilly e Paul Reiser no elenco, teve a sua estreia mundial na última edição do Festival de Sundance.

by Motelx 2014

Durante este fim de semana está a ocorrer em Londres o Fright Fest, muitos dos filmes que estão em exibição neste festival, irão estar em Setembro da edição do Motel x 2014, acredito que a organização ainda esteja a negociar mais alguns filmes para finalizar o seu cartaz, mas como em todos os anos o anúncio final demora demasiado..

Enquanto o cartaz final não está definido por aqui continuo a tentar acompanhar aqueles que já foram anunciados, depois do Stage Fright trago hoje o Life After Beth mais uma ante-estreia que provavelmente nunca chegaria a Portugal no circuito comercial.

Life After Beth tal como o Stage Fright não se pode considerar um filme de terror, vamos englobar naquele género de comédia zombie que infelizmente para mim não tem grandes hipoteses de sucesso devido claro a minha irritação por zombies.

O filme foi realizado com um orçamento pequeno mas não é por ai que ele falha, é mesmo na falta de definição do mesmo, se era para ser um comédia falhou pois são poucas as partes que nos vão fazer esboçar um sorriso, se era para ser um drama sobre a perda de um ente querido também falha.

Mas o que talvez mais me tenha irritado do filme é a própria Beth [Aubrey Plaza], adoro o trabalho que ela faz na série “Parks & Recreations” mas no filme parece quase um cópia da mesma personagem que já vimos nas ultimas 7 temporadas.

Life After Beth é um tiro ao lado, com alguns momentos interessantes mas no geral não consegue cumprir o que prometeu.

Motel X 2014 [ 10 – 14 Setembro]

motelx_07_680x323

Em Setembro, o MOTELx contagia Lisboa com o melhor cinema de terror

 

A 8.ª edição do MOTELx Festival Internacional de Terror de Lisboa promete contagiar a capital portuguesa com o mais puro terror.

 

Além de contar com mais um espaço, o Teatro Tivoli BBVA, que se junta ao Cinema São Jorge e ao Palácio Foz (Cinemateca Júnior), o festival vai também ter, logo no início de Setembro, uma Warm Up, que irá incluir uma noite de Poesia Tumular no bar POVO, no dia 1, uma sessão cinema ao ar livre no Largo de S. Carlos, no dia 6, zombie parades MINI/MOTELx e uma festa de antecipação, a 5 de Setembro, no Musicbox.

 

Seguem-se cinco dias intensos de festival com o Serviço de Quarto, a secção principal, com os regressos de Fabrice du Welz, depois de «Vynian» (MOTELx 2009), com «Allelluia» (2014), e a dupla Julien Maury/Alexandre Bustillo com «Among the Living» (2014), que se segue a «Inside» e «Livide», ambos exibidos no MOTELx.

 

Este ano, o Serviço de Quarto conta com a estreia de autores já reputados pelos circuitos mundiais de festivais, como Nacho Vigalondo («Open Windows») e Adrian García Bogliano («Late Phases») e guarda lugar para as comédias de terror, como «Life After Beth», de Jeff Baena, e «Stage Fright», de Jerôme Sable.

 

À semelhança da edição anterior, as mulheres continuam presentes no MOTELx: dos EUA, chega-nos «Honeymoon», de Leigh Janiak e, da Austrália, «The Babadook», de Jennifer Kent. Ambos são primeiras obras e apostam no medo puro e duro, em detrimento de estratagemas narrativos ou efeitos.

 

A única secção competitiva do festival, o Prémio MOTELx – Melhor Curta de Terror Portuguesa, terá, em 2014, 13 curtas-metragens em competição: «Bodas de Papel», de Francisco Antunez, «Contactos 2.0», de Bernardo Gomes de Almeida e Rodrigues Duvens Pinto, «Demência», de Rafael Almeida, «Dentes e Garras», de Francisco Lacerda, «Epoh», de Pedro Pinto, «Forbidden Room», de Emanuel Nevado e Ricardo Almeida, «Gata Má», de Eva Mendes, Joana de Rosa e Sara Augusto, «Maria», de Joana Viegas, «A Morte é o Único Perdão», de Rui Pilão, «Offline», de Pedro Rodrigues, «Pela Boca Morre o Peixe», de João P. Nunes, «Schadenfreude – De Morrer a Rir», de Leonardo Dias e «Se o Dia Chegar», de Pedro Santasmarinas.

 

O júri do Prémio é composto por Gonçalo Waddington, actor, Luísa Sequeira, jornalista e actual directora artística do Shortcutz Porto, e Julien Maury, o realizador de «Inside» e «Livid».

 

O vencedor do Prémio MOTELx 2014, a anunciar na sessão de encerramento do festival, será contemplado com um prémio monetário de 3000 euros e um fim-de-semana de inspiração num hotel da cadeia Hotéis Belver, um dos patrocinadores do festival.

 

A secção Quarto Perdido, dedicada aos filmes de género portugueses, olha este ano para a “literatura negra” e recupera duas longas-metragens: «O Cerro dos Enforcados» , de Fernando Garcia, a partir de «O Defunto» de Eça de Queirós, e «Os Canibais» , de Manoel de Oliveira, a partir da obra homónima de Álvaro do Carvalhal.

 

Para os mais novos, a secção Lobo Mau apresenta, na Cinemateca Júnior, o ciclo “Espelhos, Dragões, Magia Negra e Esqueletos – Os Clássicos da Disney”, com três filmes de animação: «Branca de Neve e os Sete Anões» , «Pinóquio» e «Fantasia». Para toda a família, está também de regresso A Tarde de Jogos (pouco) Assustadores, dedicada aos jogos de tabuleiro, sempre com o terror como pano de fundo.

 

Os eventos paralelos continuam a fazer parte da programação do MOTELx: Julien Maury e Alexandre Bustillo vão estar à conversa com o público sobre a sua carreira e metodologia de trabalho, as dificuldades de filmar terror em França e aquilo que os fascina no género.

 

Destaque, ainda, para uma formação em efeitos especiais, para uma masterclass com Dan Frye, conhecido pelo seu trabalho em filmes como «Shaun of the Dead» ou «Prometheus», complementada por um workshop de lifecastings por Helena Batista e João Rapaz, e para a primeira masterclass de duplos no MOTELx, conduzida pela MAD Stunts de David Chan. De realçar também que os seguidores de “True Blood” vão poder assistir à antestreia do primeiro episódio da sétima e última temporada da série.