Maldito – O Estranho Mundo de José Mojica Marins [2001]

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para finalizar a minha maratona do Zé do Caixão a Anchor Bay empresa responsavel por esta box apresenta-nos um documentário de 2001 realizado por André Barcinski e Ivan Finotti.

Um documentário que não tem mais de 1 hora que tenta de um forma bem leve e resumida passar em revista toda a carreira cinematográfica de Marins, focando vários filmes do mesmo mas claro com um maior ênfase a personagem Zé do Caixão.

Ao fim da curta duração do documentário ficamos a conhecer um lado mais humano de Marins, os seus gostos pessoais, a sua paixão pelo cinema, a “fonte” para muitas ideias dos seus filmes, a dificuldade de aprovação dos seus filmes pela censura brasileira e a obrigação de “cair” para o mundo porno para sobreviver.

Interessante ver Marins num lado mais intimo depois de uma maratona de filmes e finalmente perceber a origem da personagem Zé do Caixão. Ficamos também a conhecer a razão pela qual a sua personagem encontra-se tão desligada da igreja católica.

As histórias de bastidores dos filmes de Marins são sem dúvida a parte mais interessante de todo o documentário, quero só deixar novamente como ponto negativo a duração do documentário mas acima de tudo penso que faltou falar mais sobre a  influência que Marins teve no cinema de terror brasileiro, assim ficamos só com uma ideia muito superficial do seu trabalho e da sua marca.

Nota:7/10

P.s. – Como esta box não traz qualquer extra eu próprio decidi arranjar um “extra” para finalizar esta maratona. Brevemente aqui no blogue.

A Meia Noite Levarei a sua ALMA! 

A Estranha Hospedaria dos Prazeres [1976]

ecadda173ef979f4fbe9fe0e00ef2733_jpg_290x478_upscale_q90

Depois de dois filmes sem contar com a presença de Zé ele finalmente reaparecer para criar uma pensão de prazeres, isto ajudou a tornar o filme mais interessante.

José Mojica volta a trazer a sua icónica personagem há vida para mais um capitulo bizarro. Os primeiros 10 minutos de filme aproveitam novamente momentos que tinha sido utilizados no filme anterior, interessante que é algo que tem sido constante nos últimos filmes.

Zé do Caixão é ressuscitado e decide abrir uma pensão dos prazeres, onde só algumas pessoas são aceites a ficar, e é aqui que o filme tem a sua magia mesmo que como tem acontecido nos filmes anteriores temos uma variedade de  imagens soltas e algum sexo a mistura.

É impossível não falar sobre o resto do filme sem acabar por abrir toda a verdade do mesmo, logo deixo aqui uma critica pequena, porque mesmo com todos os seus defeitos. A Estranha Hospedaria dos Prazeres merece ser visto, óbvio que só aconselho a quem esteja familiarizado com os filmes do Zé do Caixão.

Nota: 5.7/10

O Estranho Mundo de Zé do Caixão [1968]

Fotografia0031

Ao terceiro dia[filme] o Zé do Caixão descansou, ou simplesmente encarnou outra personagem.

O Estranho Mundo de Zé do Caixão conta-nos três histórias distintas entre si, usado ainda imagens dos filmes anteriores a demonstrar  que o orçamento sem dúvida é muito baixo, e por isso merece o meu apreço.

A primeira história chama-se “O Fabricante de Bonecas”, conta-nos a história de um velho senhor que tem uma técnica muito particular para criar a suas bonecas, com a ajuda das suas 4 filhas consegue arranjar um elemento mais humano que as torna sem dúvida mais reais. Filme banal, sem grande motivo de interesse mas que cumpre o seu objectivo é simples e vai direito ao ponto.

Tara é o nome da segunda história, um filme corajoso sobre a necrofilia que não tem um único diálogo deixa as imagens falar por si, longe do choque que alguns filmes mais tarde provocaram sobre o mesmo tema mas novamente eficaz. E se formos a pensar que este filme é de 68 o choque deve ter sido muito.

Para o final temos Ideologia, depois de um debate em um programa de TV com o jornalista Alfredo sobre a inexistência de amor, Professor Oaxiac Odez[Zé do Caixão “disfarçado” por outra personagem] convida Alfredo e sua esposa Wilma para visitá-lo. Professor Odez oferece-se para provar a Alfredo que o instinto prevalece sobre a razão, aqui temos novamente a filosofia da vida, os monólogos de Zé do Caixão.

O filme torna-se um pouco mais violento, temos direito até a momentos de canibalismo, e consegue-se provar sem dúvida que o instinto prevalece sobre a razão.

Os 3 filmes em conjunto são eficazes, não são originais no tempo que correm mas ainda podem envergonhar alguns filmes de terror actualmente.

Nota: 6/10

Nota de rodapé: Ontem Mojica fez 76 anos, fica aqui os meus Parabéns! E que brevemente nos volte a maravilhar com uma obra do Zé!