[VN #5] Don’t Go in the House (1979)

Don't_Go_in_the_House_FilmPoster

Amiguinhos e amiguinhas chegou a hora de mais um nastie! Desta vez trago-vos um filme de 79. A versão que eu tenho é um DVD da Arrow mas a preguiça de tirar foto venceu-me mas também é melhor para nós todos pois este poster é bem melhor que a edição da Arrow Drome.

Ora então este filme chegou a Inglaterra em 80, já tinha sofrido cortes de 3 minutos, mas por obra do acaso em 82 a editora Arcade Label consegui-o lançar o filme em VHS sem qualquer corte, o que obviamente levou a ser adicionado em três tempos a lista dos video nasties. Em 87 voltou a ser novamente lançado com os 3 minutos de corte, só ficou finalmente disponível em todo o seu esplendor em 2011. Em jeito de curiosidade consegui arranjar este filme na ebay por £2! E pensar que em tempos houve pessoas que chegaram a ser presas por vender/alugar estes filmes..

blog1

Mas vamos ao que interessa, o filme foi realizado por Joseph Ellison, que também escreveu o argumento juntamente com Ellen Hammill e Joe Masefield. Sim foram precisos 3 argumentistas para chegar a esta obra prima.

O filme tem um argumento que ao inicio recorre aos clichés básicos, Donny foi abusado enquanto criança pela sua mãe, fisicamente e psicologicamente tornado-se simplesmente uma pessoa anti social, e com graves problemas mentais. Quando a mãe do mesmo morre ele finalmente conhece o sentimento de liberdade, então o que é que Donny decide fazer? Sair a noite? Ir para um bar e apanhar um “cadela”? Não ele decide construir uma espécie de sala de tortura onde vai levar as suas vitimas para as queimar vivas e limpa-las dos seus pecados.

blog3

Admito que com uma história assim toda a gente fique com um pé atrás, mas o filme parece ter algumas mensagens escondidas, como o abuso a crianças, a critica igreja católica ou mesmo o constante julgamento ao ser humano “diferente”.

Fico curioso como seria o casting para estes filme, mais precisamente para a nossa primeira vitima “Então diga-me lá.. você gostava de morrer queimada viva?”, a primeira morte do filme é minimamente chocante e violenta mesmos para os parâmetros de hoje e acredito que essa seja a principal razão para o filme ter sido banido.

A banda sonora do filme também merece destaque pois está totalmente deslocada do resto do filme.

Recomendo pelo menos a visualização de este filme uma vez, admito que a ideia de o rever não me passa pela cabeça, mas também não será certamente o pior nastie que por aqui passará.

Next VN: Blood Feast

Subconscious Cruelty [2000]

Poster 1

História: Não tem nenhum nenhum fio condutor, que se possa chamar história. São 4 curtas sem qualquer ligação entre elas.

Pseudo-Review: Fiquei mesmo na dúvida se havia de falar de este filme, pois ultimamente andamos a ser bombardeados por filmes “choques” que o único objectivo e enjoar/chocar ou provocar nauseas ao espectadores. Temos exemplos recentes como o Serbian Movie , The Human Centipede (First Sequence) e até me arrisco a colocar um filme que já tive oportunidade de falar por aqui Excision(de uma maneira mais soft), e temos este filme de 2002 realizado por Karim Hussain.

As quatro histórias só tem em comum uma coisa gore e violência extrema, admito que aos primeiros 5 minutos da primeira história pensei que ia estar perante um filme interessante e diferente do que estou habituado a ver, o uso da câmara com grandes planos, as cores a fazer lembrar os conhecidos filmes “art house”.Mas passado algum tempo o filme perde-se totalmente, a segunda história fala sobre uma paixão de um irmão pela sua irmã, os pensamentos filosóficos e os longos monologo tem por um lado um certo interesse, mas termina de um forma abrupta com o parto “forçado” usando então os elementos “choque” onde o sangue e a violência imperam sendo assim no final não nos lembramos de mais nada. A terceira história é ridícula demais nem merece qualquer comentário da minha parte, ou por outro lado provavelmente não “alcancei” a ideia que o realizador queria transmitir e não tenho problemas em admitir tal coisa, pois não sou nem de perto nem de longe um crítico de cinema, simplesmente gosto de partilhar as minhas ideias e filmes que vejo.A quarta e última história talvez seja a mais chocante de todo o filme, usa uma personagem que supostamente seria a representação de Jesus Cristo, a ser violado(pelas próprias tripas), rasgado, comido por 3 vampiras (?), o que levanta sempre uma questão. A facilidade com que se usa e abusa da religião católica para o choque e a apreensão em fazer o mesmo com a religião muçulmana, fica só este apontamento pois não tenho qualquer ligação a nenhuma delas.
Em jeito de conclusão o filme é desinteressante, é 1h20 de espectáculo gratuito de sangue, e órgãos desfeitos, com alguns toques de Art House que podia salvar o mesmo infelizmente esses momentos nem chegam a 5m do filme.

Nota: 5/10