Motel X – 10ª Edição [6-11 Setembro]

motelx_imagem_spot2

A programação já esta online (http://www.motelx.org/programa-e-horarios#dia-2016-09-06|todos-os-locais).

O convidado é um nome de luxo.

10ª edição é um marco fantástico para este festival.

Que comecem os jogos!!

No meu lado, como nos anos anteriores prometo fazer aqui umas “postas” sobre alguns filmes que estão disponíveis por esse “mundo” fora.

Bom festival para quem poder ir e cuidado com o D.Sebastião!

[Especial Motelx 15] 2º Extinction [2015]

extinction-poster656

Nove anos depois de uma infecção transformar a maior parte da humanidade em criaturas selvagens e inteligentes, Patrick, Jack e a filha Lu sobrevivem sozinhos na localidade de Harmony, um pequeno refúgio coberto de neves perenes. Alguma coisa terrível aconteceu entre Patrick e Jack que os fez odiarem-se profundamente. Mas quando os infectados reaparecem é necessário deixar o rancor para trás para conseguirem sobreviver e proteger o mais importante: a pequena Lu. Miguel ÁngelVivas, realizador da curta portuguesa «I’ll See You in my Dreams» e de «Kidnapped» (MOTELx 2011), regressa aos zombies num filme que descreve como “um melodrama de Douglas Sirk com bichos”, com Matthew Fox da série “Lost” a liderar o elenco.

Sessão 1 Sábado, 12 Setembro 2015 às 18h45, Cinema São Jorge, Sala Manoel de Oliveira

Vamos começar este “artigo” com as boas noticias, a programação do Motelx para 2015 já estava disponível, as más noticias é que está lá este filme.

Ainda se fazem filmes sobre epidemias que exterminam a humanidade, ainda se tentam fazer dramas baseados no mesmo, ainda se tentam fazer filmes de terror sobre este assunto. Todos os anos saem pelo menos uns 10 filmes onde o mundo acabou, onde os monstros “andam ai”, onde existe sempre aquele paraíso em que os protagonistas tem que tentar lá chegar, todos os anos a fórmula fica mais gasta.

Miguel Ángel Vivas não tentou inventar a roda e segui-o a o caminho mais simples, os primeiros 30 minutos são de drama, os seguintes 30 voltam-se para a tentativa de desenvolvimento emocional das personagens, e a hora final volta-se para o terror/suspense acaba por ser muito pouco para um filme que se dá ao luxo de ter quase 2 horas! Se não existe material para mais simplesmente acabem o filme mais cedo,

O leque de actores também não é perfeito, se o Jeffrey Donovan acaba por ter uma representação medíocre, Matthew Fox acaba por ser simplesmente Matthew Fox ou seja a roçar o terrível e o mau.

Nem tudo é mau em Extinction aquela meia hora de suspense/terror acabam por ser interessantes mas o que mais venderá o filme a quem o queira ver será mesmo os “zombies/monstros” que parecem por vezes saídos da cabeça de um “desconhecido” chamado Guillermo del Toro.