Curtas & Quentes – 2015

curtas

Com o outono a chegar, chega as “castanhas quenteeeesss e booassss”. Aqui no Alucard’s Corner como não há castanhas e tempo para muito mais que isto ficam aqui as minhas mais recentes visualizações.
Musarañas: Filme espanhol que esteve no Motelx de este ano, mostra-nos que fazer filmes influenciados mesmo que não directamente em grandes escritores como Stephen King e mais precisamente no livro Misery, não precisa de ser um coisa má. Pode-se fazer a mesma coisa muitas vezes desde que se saiba usar outros elementos, Musarañas passa esse teste sem qualquer dificuldade. Recomendado!

The Editor: Argento.. Fulci.. Giallos.. Filmes italianos maus.. The Editor tem isto tudo e muito mais, se os americanos todos os anos lançam “spoof movies”, Astron 6 o estúdio responsável pelo Father’s Day, não quis ficar atrás mas mostra-nos que é possível fazer um filme de comédia sem precisar de recorrer as mesmas piadas de sempre. Se forem fãs dos grandes diretores italianos dos anos 70/80 este filme é para vocês!

Knock Knock: Eu sempre achei o Eli Roth um realizador sobrevalorizado, até hoje não vi nenhum filme dele que me enche-se as medidas.. Este Knock Knock foi a gota de água, começando pelo Keanu Reeves que coitado não sabe representar..não há volta a dar. Em relação as “jovens” do filme são sempre bem vindas quando aparecem em trajes menores, mas se quisesse ver um filme erótico barato, voltava aos tempos da TVI nos anos 90 que davam aqueles filmes interessantes as tantas da noite..

The Final Girls: Gosto de filmes de terror/comédia, acho sempre piada a um filme assim se for bem desenvolvido, este tem com pano de fundo o Sexta Feira 13 e com toques do Último grande herói , nos primeiros 5 minutos de filme fartei-me de rir depois começa-se a caminhar para um drama meio lamechas mas mantêm qualidade até ao final. Um filme que tem sem dúvida um público alvo mais adolescente, mas também aquela malta fã dos slashers.

Anúncios

Dupla Sessão – Balada triste de trompeta & Someone’s Knocking at the Door

Este slideshow necessita de JavaScript.

Balada Triste de Trompeta [2010]

História: Uma jovem trapezista precisa decidir se entre Sérgio, o palhaço feliz mas como uma personalidade caótica , ou por Javier, o palhaço triste, que também esta profundamente perturbado.

Pseudo-Review: Numa altura que o meu livro de cabeceira é “Homenagem a Catalunha” de George Orwell, nada melhor que pegar num filme que tem como pano de fundo a guerra civil espanhola e os anos seguintes já sobre a ditadura do General Franco.

Realizado por Álex de la Iglesia realizador já com um currículo extenso e com alguns filmes de culto na sua carreira, este foi o meu primeiro contacto com o mesmo. Balada Triste de trompeta sofre de um mal que infelizmente começa a ser mais comum nos últimos filmes que tenho visto é demasiado longo para uma história tão simples.

O filme tem uma começo fulgurante, Javier está assistir a mais um espectáculo do pai como palhaço, quando é interrompido pelas tropas revolucionárias que obrigam todos os circenses a participarem no lado rebelde para combater os fascistas franquistas. São vinte minutos de excelente realização, fotografia e montagem um hino ao bom cinema. Posteriormente vamos acompanhado as aventuras e tristezas de Javier (muito bem interpretado por Carlos Areces) até ao ponto que entra para um circo e tenta fazer carreira como o seu pai, como palhaço. Nesse mesmo circo conhece a trapezista Natalia(a belíssima actriz Carolina Bang) que está casada com o palhaço feliz Sérgio( Antonio de la Torre) que também tem aqui uma excelente interpretação. A partir daqui acompanhamos a história de este trio amoroso, que acaba em extremo máximo, mas como referi anteriormente a história prolonga-se demasiado dando mesmo a impressão que muitas fases do filmes são desnecessárias.

Mesmo com esse pequeno problema Balada triste de trompeta merece uma oportunidade pelas excelentes representações dos seus protagonistas e pela sua excelente realização e fotografia. Mais um bom filme vindo de Espanha um cinema que sem dúvida nos últimos anos mostrou um crescimento abismal.

Nota: 6.5/10

http://www.imdb.com/title/tt1572491/

Someone’s Knocking at the Door [2009]

História: É uma comédia de terror, realizada por Chad Ferrin, que nos traz a história de um grupo de jovens viciados em drogas, estudantes de medicina, que são sistematicamente aterrorizados por Wilma e John Hopper, um casal misteriosamente regressado dos anos 70.

Pseudo-Review:  Acho que já referi em vários posts que adoro filmes de terror comédia, desde que esteja a um nível aceitável. Ora Someone’s Knocking at the Door não está nem ao nível de filme de terror, nem de comédia, é simplesmente uma mistura de ideias que durante 80 minutos acaba por não ir a lado nenhum. Acho que foi o pior filme que vi nos últimos tempos, não tem história nenhuma. O que acontece durante 80 minutos são violações de John Hopper com o seu pénis gigante, temos raparigas a mostrar os seios, temos uso de drogas, temos tentativa de piadas. É um filme que nem consegue chegar aquele nível do “É tão mau que acaba por ser bom..”.  Evitem a todo o custo este filme, se tiverem curiosidade em ver o mesmo aconselho paciência, muita paciência.

Nota: 3/10

http://www.imdb.com/title/tt1303902/