Jigoku de naze warui [2013]

MV5BNTQ0Njc3ODkyMl5BMl5BanBnXkFtZTgwODQxOTE4MjE@._V1_SY317_CR0,0,214,317_AL_Quando acabei de ver Jigoku de naze warui  a minha primeira reacção foi “Shion Sono é um mestre”, ele que já me tinha surpreendido com o Cold Fish filme que falei aqui no blogue há uns tempos atrás, e mais recentemente com o Tokyo Tribe uma mistura de The Warriors com hip hop.

Mas Jigoku de naze warui é talvez um dos seus melhores filmes, pelo menos daqueles que já vi dele, que diga-se de passagem não são assim muitos..

Jigoku de naze warui começa logo com uma abertura violenta, uma criança chega a casa, onde se encontra com um assassino, há volta de uma poça de sangue enorme, mas ela na sua inocência de criança não consegue compreender o que se passa, então lida com a situação de uma forma hilariante, aqui está dado o pontapé de saída para duas horas de pura magia.

Mas se ainda tivessem dúvida que estão perante um filme que vos vai ficar na memória para sempre, esperem até aparecer os Fuck Bombers! um grupo de adolescentes que tem como sonho fazer o melhor filme do mundo! Viciados em cinema e sempre com as câmaras na mão a procurar de situações para filmar, acabam por levar o filme para outro nível.

Quando 10 anos mais tarde finalmente tem a oportunidade de o fazer por um momento do acaso (não me vou alongar muito para não estragar nenhuma surpresa) tudo o que sonharam simplesmente acontece, aqueles 20 minutos finais são de uma anarquia deliciosa, o único defeito que aponto-o ao filme será mesmo o uso de sangue em CGI, mas um filme que com duas horas não tem um momento morto merece um estatuto de culto. Obrigado Mr. Sono encontraremos-nos outra vez.

The Guest [2014]

THE GUESTNotas Soltas:

  • Adam Wingard está a prometer um bom futuro
  • Os fanboys de Argento / Carpenter começam a dar a costa e os tributos não param de aparecer
  • As bandas sonoras “retro” anos 80 começam a ganhar novo protagonismo
  • O final do filme ainda vai ser muito discutido
  • Para finalizar é bom ver finalmente um filme como tanto “alarido” a merecer esse destaque

[Tripla Dose] Filmes Asiáticos

Deixei por algum tempo os filmes de terror de lado, para não enjoar do género e voltei a atacar os filmes do mercado coreano, tive a oportunidade de ver alguns nos últimos dias, deixo destaque para 3 deles.

rough cut

Yeong-hwa-neun yeong-hwa-da [Rough Cut] – 2008

O mercado asiático como se sabe está cheio de filmes de gangsters e de terror, ora Rough Cut não é um filme de gangsters convencional. A história gira em torno de um actor que tem tiques de estrela, e depois de 2 acidentes no set de filmagens fica sem nenhum actor que queira trabalhar com ele, ficando em risco assim não terminar o filme. Por coincidência tem um encontro com um gangster chamado Lee Kang-Pae [Ji-Sub So interpretação demasiado boa ou ruim? mais a frente irei desenvolver] e convida-o para entrar no filme dele. Lee Kang-Pae acaba por aceitar com uma condição, as lutas não serão fictícias mas sim reais, as lutas até acabam por ser bem passadas mas não é certamente um filme de acção. Ao longo da história o nosso actor vai tornado-se cada dia mais estrela, deixando por vezes em risco o filme, enquanto o oposto acontece a Lee Kang Pae que fica cada dia que passa mais humano. E é aqui que fica no ar a questão sobre o Sr.Ji-Sub So pois a expressão durante o filme é sempre a mesma, não me consegui decidir se era digno de Óscar, ou de Razzie. O final do filme vai contra todas as expectativas mas deixa um mensagem forte, nunca confundir a vida real com o mundo do cinema.

Destaque também para a banda sonora que dá outro ar ao filme,sem dúvida um filme que merece ser conhecido por esse mundo fora.

Nota: 8/10

the_secret_reunion_poster02

Ui-hyeong-je [Secret Reunion] – 2010

Realizado por Hun Jang que esteve por detrás das câmaras no filme que falei anteriormente, foi uma das razões para procurar e ver Secret Reunion. Enquanto esperamos por uma nova guerra entre a Coreia do Norte e a do Sul, vamos ficando aqui com filmes que retratam esse assunto. A história gira a volta de 2 espiões, um sul coreano e outro norte coreano, por razões distintas, o espião sul coreano acaba por ser demitido dos serviços secretos depois de uma operação mal calculada, o norte coreano acusado de traição pelo seu superior não pode voltar a “grande nação”. Depois de esse incidente, passam-se 6 anos, numa altura que Lee Han-kyu[espião sul coreano] encontra-se numa situação complicada, acaba por ser salvo por Song Ji-won[espião norte-coreano] e acabam por trabalhar juntos, aqui o filme torna-se mais cómico, ao vermos que os dois espiões não se esqueceram do seu passado e continuam a espiar-se mutuamente, um pouco momentos Spy vs Spy. Um filme com uma boa dose de acção, drama e comédia, é o suficiente para nos manter entretidos durante 2h.

Nota: 7/10

Hoi-sa-won [A Company Man] – 2012

a company man

Para último deixo Hoi-sa-won um perfeito exemplo de que o cinema asiático também pode estagnar em termos de ideias originais. Recomendado por um utilizador do site imdb.com, depois de ter concordado com a ideia que Rough Cut era um lufada de ar fresco. Hoi-Sa-Won é precisamente o contrário, a história de um super assassino já tá mais que batida, e um super assassino com sentimentos já lhe perdi a conta. O filme caminha pelo lado mais fácil, a história de um assassino que depois de um trabalho começa a ganhar sentimentos e no fim acaba por se revoltar contra a companhia já conhecemos. As cenas de acção também não acrescentam nada de novo, parecendo por vezes que o realizador Sang-yoon Lim tenta imitar Michael Mann na sua forma de filmar mas faz de uma maneira totalmente amadora.

Como o próprio utilizador me disse ” I recommend a company man, movie just like man from nowhere ” , sem dúvida que é parecido para não dizer quase igual, mas Aejossi na altura deixou-me fascinado já este foi para esquecer.

Nota:5/10

Triple AAA(Asian Cinema)!

Assembly

Por regra geral nunca vejo um filme sem ler  a sua história, mas com este filme decidi fazer isso. A única referencia que tinha sobre o filme era “Saving Private Ryan” versão chinesa. Gostei do Ryan, não é uma obra prima mas é um bom filme de guerra logo decidi ver este sem mais nenhum conhecimento.
Mas para não acontecer o mesmo a outras pessoas deixo aqui a ideia do filme:

Tempo: Guerra Civil Chinesa
Tropas: Comunistas vs Nacionalistas
Cenário de Guerra: Hollywood Style
Actores: Maus e Artificiais

Podia ser assim resumido o filme, mas a história felizmente é um pouco mais complexa, seguimos o rumo de um sargento que combateu pelo lado comunista, que numa batalha final perde toda as suas tropas, mas ninguém tem conhecimento de essa batalha e muito menos que esse batalhão perdido lutou para defender a sua pátria, Logo nunca tiveram um verdadeiro enterro e devida admiração, e ai é que o nosso Sargento tenta até ao fim do filme para provar que dirigiu esse batalhão e que defendeu a pátria até ao seu último homem,e que eles merecem ser reconhecidos como heróis..

Infelizmente a componente dramática que tentam impingir ao filme é má, todas as representações parecem demasiado artificiais, e as cenas de guerra não acrescentam nada de novo ao que já vimos por ai em outros filmes.

Apanhei uma grande desilusão com este filme, também devido um pouco a minha culpa de ver sem saber o que falava o mesmo.

É caso para dizer “Avante Camarada” para um filme melhor.

Nota – 5/10

http://www.imdb.com/title/tt0881200/

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Gongdong gyeongbi guyeok JSA

Existem filmes que a partida tem tudo para não desapontar, com realização de Chan-wook Park (dispensava apresentações mas tem Oldboy na sua história) e com o actor(que descobri recentemente no The man from nowhere) tinhamos tudo para ter um bom filme.
E a verdade é que não estamos perante nenhuma obra prima do cinema, mas a história original e só isso é meio caminho para um boa critica.
Começamos o filme com uma “massacre” na área não militarizada que separa a Coreia do Norte da Coreia do Sul, interessante ver esta rivalidade tão intensa que se vive nestes dois países. Para inventar qualquer confronto são chamados 2 países neutros para fazer a investigação recaindo a escolha para um soldado Sueco e uma tenente Suíça com raízes na Coreia pela parte do pai.
A história acaba por se desenvolver a um bom ritmo, fazendo ao inicio um pouco de flashbacks confusos, mas que se consegue apanhar bem quando o argumento começa a fluir.
Este filme dá-nos uma excelente lição humana, sobre o que um soldado sofre por vezes pela sua pátria sem nunca pedir explicações nem saber bem porque que odeia o inimigo.
Sem dúvida um must see no cinema asiático.

Nota: 7/10

http://www.imdb.com/title/tt0260991/

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Hwanghae

Para fechar o ciclo que fiz de cinema asiático esta semana, deixei para o fim o filme que mais me deu prazer em ver. Realizado por Hong-jin Na que já tinha deixado uma exclente indicação no filme Chaser. Este filme gira a volta de um taxista que vive na miséria, tem dividas e foi abandonado pela mulher. Desesperado com esta situação recebe uma proposta tentadora para ir até a Coreia do Sul matar um homem, em troca de uma boa quantia, como não tem nada a perder e como tem pagar as suas dividas aceita sem pensar nas consequencias que pode vir a ter.
Um filme recheado de acção e violência em que se cria um tensão muito própria, chegando por vezes a dar por mim com o coração da boca na esperança que o nosso “anti-herói” se consiga safar de toda a conspiração que se envolveu.
Um filme cru com uma representação acima da média de Jung-woo Ha ficando só um pequeno amargo da boca por vezes os exageros de energia,força e resistencia que o vilão do filme tem,mas por outro lado os filmes servem mesmo para isto.
Fico entusiasmado por saber com o que nos vai brindar Hong-jin Na num futuro próximo, quando tal acontecer sem dúvida que serei um espectador na primeira fila.

Nota – 8.5/10

http://www.imdb.com/title/tt1230385/