Motel X – 10ª Edição [6-11 Setembro]

motelx_imagem_spot2

A programação já esta online (http://www.motelx.org/programa-e-horarios#dia-2016-09-06|todos-os-locais).

O convidado é um nome de luxo.

10ª edição é um marco fantástico para este festival.

Que comecem os jogos!!

No meu lado, como nos anos anteriores prometo fazer aqui umas “postas” sobre alguns filmes que estão disponíveis por esse “mundo” fora.

Bom festival para quem poder ir e cuidado com o D.Sebastião!

Black Friday & Xmas

WP_20151209_20_26_48_Pro.jpg

Nasties & Others

Aqui estão as últimas chegadas aqui a casa. Devido ao livro Shock! Horror! Descobri um pouco mais sobre os video nasties.

Zombie Flesh Eaters 2 foi sendo adiado até finalmente chegar este mês, só deixou novamente a ideia que a 88 Movies é uma distribuidora amadora.

Se tiver tempo e alguma paciência falarei de alguns dos títulos ali apresentados.

 

Mês 3 – Compras!

20150309_111137(1)Vamos lá então para o 3º mês da rubrica “eu compro isto para meter nojo aos outros, mas se a malta quiser partilhar o que compra para meter nojo a mim está a vontade”

Au-Dessus – s/t – O bandcamp é talvez uma das ideias mais geniais a seguir ao “myspace”, se o anterior era irritante com um player que bloqueava de 5 em 5 segundos, o bandcamp permite além de fazer streaming de imensas bandas, dá-nos ainda a possibilidade de comprar material directamente a banda em questão, sem intermediários, ou comissões para a editora. Au-Dessus foi uma das minhas mais recentes descobertas musicais, uma banda vinda da Lituania acaba por ter o seu primeiro EP lançado por uma editora polaca que até agora era completamente desconhecida para mim. Com aquele estilo de post-black metal que tanto está na voga actualmente por vezes é difícil encontrar bandas que se destaquem, Au-Dessus consegue agarrar logo aos primeiros segundos da primeira música, sabemos que vem algo especial.

https://witchinghourproductions.bandcamp.com/album/au-dessus
At The Gates – At War With Reality – Os ATG são mais um daqueles casos que por vezes mostra que a arte da música e do cinema estão sempre sujeitos aos criticos e a pressões externas. O seu último álbum (um dos meus preferidos de sempre) Slaughter of the Soul foi lançado em 1995, após uns momentos atribulados decidem-se e cada membro segue o seu rumo sendo que alguns juntaram-se para formar a banda The Haunted. Como tem vindo a ser habitual nos últimos tempos, as bandas que agora são de culto que foram ignoradas enquanto estavam activas, e aqui entra a minha comparação com o cinema, quantos realizadores estão hoje a ter sucesso após a sua morte ou reforma ?

Os ATG voltam-se a juntar para lançar em 2014 o At War With Reality, a melodia, a voz tudo o que caracteriza os ATG ainda está lá, não é um álbum brilhante tendo algumas músicas de “encher chouriços”, mas acaba por ter um resultado satisfatório.

A Storm of Light – Forgive Us Our Trespasses – Os ASOL são uma banda que guardo um carinho especial, após o lançamento do seu primeiro CD apareceram em Portugal para um concerto, admito que o concerto não me encheu as medidas, o som do primeiro álbum não é fácil de reproduzir sem se tornar monótono,lembro que o concerto foi num teatro em Oeiras, e o amigo que me acompanhou a esta aventura acabou por adormecer, mas  existem bandas que não foram feitas para actuar ao vivo e ASOL são uma delas, muito por culpa da falta de talento vocal de Josh Graham, em estúdio existe mil truques para disfarçar tal fraqueza mas ao vivo é impossível, ainda decide dar uma segunda oportunidade quando voltaram a ir a Portugal já na ressaca de este álbum que adquiri, mas novamente a desilusão tomou conta de mim, assim como esta obra. Acabei por comprar o CD mesmo só para para ter a discografia dos ASOL completa brevemente.

Corpus Christii – Saeculum Domini (esqueci-me de colocar na foto lol) / The Fire God – Quando comecei a ouvir metal ignorava completamente a “onda” portuguesa. Como quando começamos a ver cinema e pensamos que só “Hollywood” sabe fazer filmes, no metal sempre pensei que as bandas portuguesas não tivessem categoria suficiente para merecerem a minha atenção. Não podia estar mais enganado, um dia numa daquelas promoções manhosas da FNAC encontrei o Rising dos CC, comprei por curiosidade e ainda bem que o fiz no dia que ouvia pela primeira vez o Nocturnus Horrendus a usar a sua voz poderosíssima, a debitar o seu black metal old school impõe respeito, não me esqueço da primeira vez que ouvi a música “The Wanderer ” do albúm Rising, no CD e ao vivo são momento totalmente arrepiantes. Estes dois primeiros trabalhos já mostram a qualidade que se reconhece nos CC, mesmo que ainda tenham aquelas produções “Made in fundo da Caverna”, mas é também curioso o uso de teclados a fazer lembrar os Emperor só para citar algumas bandas que usaram esse tipo de instrumento. Crown Denied será o momento mais alto para mim. Bem mas brevemente um novo álbum está para sair e não existe melhor altura para adquirir estes álbuns para continuar acompanhar a excelente evolução dos CC.

Filii Nigrantium Infernalium – A Era Do Abutre – Filii entra exactamente na mesma onda dos CC, existiam duas bandas que surgiam sempre em conversas sobre o “metal português”, um era os CC a outra era os Filii, ignorados por mim até colocar os meus ouvidos no brutal Fellatrix Discordia Pantokrator, passaram sem qualquer problema para o meu topo de prioridades em adquirir os seus trabalhos todos. A Era do Abutre não está nem de perto nem de longe perto do fantástico Fellatrix Discordia Pantokrator , mas podemos sempre nos lembrar que foi lançou as “sementes” para o que vinha para ai.

Malachi – s/t LP – Já disse tudo o que tinha a dizer sobre os Malachi anteriormente, finalmente consegui completar a minha discografia de esta banda.

Manes – Pro-Gnosis-Diabolis LP – Já tinha adquirido a versão CD há uns tempos atrás, mas existe sempre aquela música que nos falta ouvir, Manes são um dos casos raros de bandas que decidem deixar o “metal” completamente de fora para se lançarem num ambiente electrónico, aqui ainda não mostravam qualquer sinal de que isso ia acontecer, pois a verdadeira viragem foi com o sempre único Vilosphe, mas Manes não enganaram nunca, seja a fazer black metal da caverna, seja a brincar aos rap com o How the World Came to an End.

Rage Against The Machine – The Ghost of Tom Joad – Single / Bulls on Parade – Single – Como também já referi em outro post, os singles dos RATM servem simplesmente para ter em áudio de CD aquelas músicas não lançadas em CD, neste caso temos só o Hadda Be Playing On The Jukebox que acabou por ser lançado no Live/Rare CD. A versão em estúdio acaba por perder metade da mensagem da versão ao vivo, mas fica para o quadro de honra.

P.s. – Espero muito em breve voltar ao filmes, a box da Hammer já está em rotação do meu DVD, mas por enquanto ainda só consegui visualizar um filme dos 5 que fazem parte do livro 1, novidades para muito breve, assim espero!