Top 2015 – Alucard Version

Como nos anos anteriores aqui fica mais um top baseado nos filmes que vi e falei no blogue. Provavelmente o ano que mais preguiça tive para escrever sobre os mesmos, mas ao mesmo tempo talvez o ano que vi mais filmes do que estava a espera, mais precisamente a partir de Outubro em que finalmente encontrei alguém que partilha os meus gostos pelos filmes de terror, em trocas quase diárias de DVD/Blu Rays tenho descobrido obras que provavelmente nunca iria por os olhos.. mas chega de “encher chouriços”

28

Loading “”

1º Turbo Kid [2015]

Provavelmente nunca esteve em causa o seu lugar, Turbo Kid assim como o Kung Fu Fury são dois exemplos de geekismo e revivalismo máximo. Numa altura que exploro cada dia mais os filmes de essa época, Turbo Kid simplesmente juntou tudo o que havia de bom nessa altura e criou uma obra única. O Blu Ray brevemente estará na minha estante, já o filme em si fica com o lugar no pódio.

sww154.gif

2º Bronx Warrior Trilogy [1982/83]

Seria injusto deixar qualquer um de estes filmes de fora, mesmo que o segundo seja um bocadinho mais fraquinho na minha opinião. Bronx Warriors foi mais um daqueles filmes comprados as “escuras” numa altura em que o Mad Max arrasava nas bilheteiras, os Bronx Warriors arrasavam no meu DVD. É impossível esquecer Trash, Fred Williamson ou o mítico George Eastman. Recomendado!

Bronx Warriors Trilogy FR.jpg

3º Wyrmwood [2014]

O mundo do cinema está a ganhar novos realizadores que merecem ser seguidos com atenção, depois de uma época entregue aos found fottage talvez a maior praga do cinema, a seguir aos remakes de filmes clássicos que mereciam estatuto de culto e obscuridade, novos talentos começam a surgir. Kiah & Tristan RoacheTurner contaram na edição da revista Scream as dificuldades que tiveram em acabar o seu filme, mas toda a paixão e persistência levou-os a conseguir chegar ao final, e ainda bem. Zombies e Mad Max é uma dupla que merece destaque em qualquer altura. Wyrmwood já merece o seu lugar no estatuto do cult, esperemos agora que Kiah & Tristan não se encostem aos lucros e conseguiam continuar a surpreender-me com bons filmes.

wyrmwood.jpg

4º The Editor [2014]

Interessante enquanto vagueava pelo blogue para ver os filmes que falei este ano, apercebi-me que a maior parte deles foram filmes mais recentes, indo exatamente contra aquilo que eu me propus no inicio do mesmo. Mas por outro lado só mostra que o género de terror está a voltar a surpreender, e a mostrar novos talentos por isso não me posso queixar.

Se Wrymwood foi uma surpresa, The Editor foi a confirmação de como o estúdio Astron 6 está de boa saúde, depois de Manborg e de um talvez a merecer uma segunda visualiza~ção para mudar a minha opinião Father’s Day. The Editor é finalmente o filme tributo que os slashers/giallos italianos mereciam. Mesmo com uma irritante Paz de La Huerta(longe de mim queixar-me da sua presença no filme, mas se não tivesse falas e mostra-se só o seu talento natural teria sido bem melhor para o filme). The Editor é uma lição de como fazer um tributo sem cair no ridículo.

maxresdefault.jpg

5º The Plague of the Zombies [1966]

Ainda tenho 3 volumes da Box da Hammer para ver, por vezes quem tudo quer tudo perde. Como em muitas outras situações comprei mais filmes este ano que em toda a minha vida, desde os saldos, até as black fridays a quantidade de filmes que entraram diretamente para minha estante são mais do que posso contar, mas isso não impediu de ficar fascinado pelo mundo da Hammer quando tive acesso aquela Box, não é certamente por falta de qualidade que não vi os outros filmes, é simplesmente por falta de tempo ou por acabar ser por dar prioridade a outros filmes.

Mas adiante Th Plague of The Zombies consegue ser um filme de “zombies” sem ser chato, sem sem repetitivo, sem ser aborrecido. É uma mistura de cultos, rituais e originalidade. Hoje em dia qualquer filme de zombies ou série que encontramos são simplesmente aborrecidos mas em 66 ainda havia muito por onde se criar e a Hammer não quis perder o comboio nesse aspecto e ainda bem, por aqui ficamos com este fantástico exemplar.

tumblr_mmqyi4fab51s01qkyo1_500

Anúncios

Zombi III

WP_20151212_16_07_54_Pro

Zombi 3, Zombie Flesh Eaters 2 podem-lhe chamar o que vocês quiserem, eu pessoalmente prefiro o Zombi 3 .

Zombi 3 mostra facilmente porque é que o cinema italiano entrou em declínio,é um exemplo perfeito daqueles filmes feitos para tentarem ganhar mais uns trocos antes da bolha explodir. Quer isto dizer que Zombi 3 é um mau filme? Isso já depende do gosto de cada um, para mim o filme é satisfatório só peca pela sua longevidade, mas isso é facilmente explicado nos extras do Blu Ray e ainda melhor no livro que se vê na fotografia.

Fulci quando aceitou fazer este filme já se encontrava demasiado doente, tendo várias vezes “desaparecido” durante as filmagens. Para o seu lugar o produtor Franco Gaudenzi escolheu a dedo Bruno Mattei e o escritor do filme Claudio Fragasso (que ficou com os louros, as na realidade foi a sua esposa que veio com o argumento). E a diferença de filmagem é facilmente detectada para o fã mais acérrimo mas também para o olho comum.

Mas antes de entrar em pormenores vamos a história! Um grupo de cientistas está a criar uma nova arma biológica que tem como objectivo a ressurreição dos mortos, a experiência como é de esperar não corre como previsto e transforma um simples cadáver em uma máquina esfomeada por carne humana. A experiência fica sem efeito, mas antes de poder ser destruída um dos recipientes é roubado,depois de um tiroteio muito fraquinho o vilão dos primeiros 15minutos acaba por se contaminar a ele próprio.

Obviamente mais tarde é apanhado e cremado, e aqui é que os problemas começam, com um vírus que se propaga pelo ar, acaba por contaminar a ilha toda devido ao espalhar das cinzas, esta mensagem que mistura ambiente com poluição é um cópia descarada do The Living Dead at Manchester Morgue mas são estes pormenores que fazem estes filmes ganharem estatutos de culto.

Este filme é facilmente divido em duas partes, as partes más realizadas por Mattei com pássaros zombies, ou as lutas com os zombies que parecem mais uns ninjas que aparecem de todo o lado. E as partes que se aproveitam são aquelas que sem dúvida tem o toque do mestre, a cena do hotel, uma cena mítica que envolve uma piscina e provavelmente a cabeça voadora só podia sair da cabeça de Fulci.

Os zombies filipinos também tem que ter uma palavra de apreço e alguns zombies estão muito bem caracterizados como sempre, é algo que me surpreende sempre nestes filmes Italianos, tudo o resto pode parecer amador, mas as caraterização é sempre excelente.

O filme vai-se arrastando um pouco até ao seu final, mas acaba com uma das frases que representa todo os filmes dos anos 80.

Were going to go back and fight …….But this time were going to win!

Simplesmente poético, Fulci nunca se assumiu fã de este filme mas até hoje nunca se percebeu porque deixou ficar o seu nome como principal director.

Em jeito de curiosidade umas das personagens principais hoje é um director famoso em séries de televisão tendo do seu curriculo episodios de House e CSI Miami.

Fulci Lives!

Black Friday & Xmas

WP_20151209_20_26_48_Pro.jpg

Nasties & Others

Aqui estão as últimas chegadas aqui a casa. Devido ao livro Shock! Horror! Descobri um pouco mais sobre os video nasties.

Zombie Flesh Eaters 2 foi sendo adiado até finalmente chegar este mês, só deixou novamente a ideia que a 88 Movies é uma distribuidora amadora.

Se tiver tempo e alguma paciência falarei de alguns dos títulos ali apresentados.

 

Curtas e Quentes II

curtas 3.png

Como qualquer bom filme de sucesso a sequela está sempre a espreita, depois de a primeira edição das Curtas e Quente, chega directamente de várias partes do mundo, o Curtas e Quentes II.

The Town That Dreaded Sundown: Os slashers nasceram com Halloween? Os anos 80’s conseguiram aperfeiçoar os mesmos, mas então o que podemos dizer de este filme que já tinha essa génese dentro de si? Um rascunho do que se viria a tornar o cinema e terror dos anos 80, mas aqui não temos um slasher tradicional, temos sim um filme quase em forma de documentário para contar uma história real. O filme tem suspense momentos de comédia para aliviar a tensão, The Town That Dreaded Sundwon cumpre tudo o que prometeu. Não deslumbra mas também não se compromete a dar um final satisfatório ao espetador. Mesmo com pouca visualização ou conhecimento não escapou ao clássico remake, logo a sua marca foi deixada.

La Polizia Chiede Aiuto aka What Have They Done to Your Daughters?: Shameless Screen Entertainment pode até andar mais morta que viva, não lança um filme já há algum tempo, mesmo que algumas noticias apontem para algumas novidades para o novo ano, até agora não surgiu nada de concreto.Mas até que se decidam a fazer algo, é sempre bom vasculhar pelo catalogo extenso que nos oferecem, este filme em concreto foi-me oferecido devido a uma duplicação. Logo fui totalmente as escuras sem saber com o que contar.

Os primeiros 5 minutos são um pouco amadores, a cena inicial onde temos um manequim enforcado a fazer-se passar por uma rapariga prometia um filme B daqueles há moda antiga, mas aos poucos o filme foi ganhado mais história, misturando com sucesso dois estilos muito italianos o giallo com o policial.

Curioso uma das personagens ser um motoqueiro algo que já tinha aparecido do meu mais recente “post” Nightmare Beach, o filme aguenta bem a sua história até ao final, deixo destaque para a cena do parque de estacionamento, alguns momentos do filme são bem amadores, mas numa altura que se faziam filmes em Itália como pão quente é de louvar que este tenha conseguido sobreviver ao tempo, se forem fãs de Massimo Dallamano, que tinha já deixado uma boa impressão com ‘What Have They Done To Solange?, corram para este filme, se encontrem a versão da Shameless a um bom preço comprem, mas pré aviso que a cópia em si deixa muito a desejar chegando ao cúmulo de misturar dobragem em inglês com legendas.

The Cat o’ Nine Tails: Tinha comprado o blu-ray da arrow já a meia dúzia de meses, mas como sempre outros filmes foram subindo na escada, recentemente decidi finalmente dar um oportunidade a segunda longa metragem de Argento, infelizmente por muito que queira não me consegui-o fascinar, tem alguns momentos agradáveis, mas ao mesmo tempo tem também muito “encher chouriços”, já para não falar na cena de sexo mais ridícula na história do cinema. O filme salva-se pelo grande papel que Karl Malden faz mas isso nunca será suficiente.

Fascination: Li recentemente que qualquer fã de terror, acaba mais tarde ou mais cedo a bater na porta de Jean Rollin. Eu nunca procurei nada sobre o mesmo, mas numa conversa de café com um amigo ele falou em no Fascination e a sua forma de arte pouco convencional para os dias de hoje. Pedi-lhe o DVD emprestado e abri a mente ao mundo de Rollin, abri as minhas portas aos filmes eróticos com toques artísticos.

Rollin parecia ter uma ideia definida para o seu filme os primeiros minutos mostram o seu plano, mas talvez com medo de perder os seus espetadores com longos planos “made in europa”, mostra-nos os primeiros seios logo 10 minutos depois da abertura do filme e partir dai a nudez feminina entra sem aviso em qualquer cena. Longe de mim me chatear com isso, mas provavelmente um bocadinho mais de história ou mesmo se tivesses persistido mais na ideia que tinha nos primeiros minutos o filme foi-se mais satisfatório, de qualquer das formas Brigitte Lahaie rouba o filme em todo o momento que aparece no ecrã, e mostra-se bem a vontade para andar a mostra-se nua sem qualquer complexo, claro que o destaque vai para a parte da “morte”. Rollin pode não ser tão artístico como o querem pintar, mas também não é um caso perdido.Álias já ando a procura do seu outro clássico “Grapes of the Death”.

4621.original