Nightmare Beach [1989]

NB1.jpg

Umberto Lenzi deixas as selvas amazónicas e transformar-se em Harry Kirkpatrick para se atualizar para as selvas urbanas. Pelo menos era a ideia que eu tinha aquando a visualização de este filme, agora depois de uma pesquisa mais extensa, parece que Lenzi se chateou com o produtor do filme, por achar demasiado parecido com outro filme seu. Sendo assim Kirpatrick também conhecido como James Justice tomou as rédeas do filme, mas consegui-o convencer Lenzi a dar-lhe apoio durante as filmagens.

São estas pequenas pérolas que fazem estes filmes diferentes e a precisarem de maior destaque. Neste filme temos a imagem americana dos anos 80.

001e4816_medium

Praias, raparigas bonitas a participarem em concursos de t-shirt molhada, gangues de motoqueiros e claro o herói do futebol americano.

A história passa-se durante as férias da pascoas (spring break) em que um motequeiro mata as suas vitimas sem razão aparente [descobrimos do fim a razão.. sem spoiler por este lado], o filme em si é um clássico B, os diálogos a merecerem sem dúvida o maior destaque, a maior parte deles são de um comédia involutaria.

NB_2

Para não haver dúvidas que este é um filme dos anos 80, temos John Saxon com policia que só com a sua presença consegue meter ordem em 20 motoqueiros!!

Para ajudar qualquer fã de um slasher e com tendências para gosto de filmes italianos temos para banda sonora, Claudio Simonetti aqui sem a sua banda Goblin, mas com sempre a fazer um excelente trabalho.

Nightmare Beach aka Spring Break é um filme fácil de visualizar, onde as mortes não são minimamente gráficas, alias o filme peca pela falta de sangue.

Se isto tudo não for suficiente vejam pelo menos o filme pela Sarah Buxton as suas qualidade de actriz deixam muito a desejar mas por outro lado a sua presença dá gosto de ser ver.

NB_4

Lenzi pode não ter assumido as “custas” do filme, mas também não perdia nada se o tivesse feito.

 

 

 

Anúncios

Jigoku de naze warui [2013]

MV5BNTQ0Njc3ODkyMl5BMl5BanBnXkFtZTgwODQxOTE4MjE@._V1_SY317_CR0,0,214,317_AL_Quando acabei de ver Jigoku de naze warui  a minha primeira reacção foi “Shion Sono é um mestre”, ele que já me tinha surpreendido com o Cold Fish filme que falei aqui no blogue há uns tempos atrás, e mais recentemente com o Tokyo Tribe uma mistura de The Warriors com hip hop.

Mas Jigoku de naze warui é talvez um dos seus melhores filmes, pelo menos daqueles que já vi dele, que diga-se de passagem não são assim muitos..

Jigoku de naze warui começa logo com uma abertura violenta, uma criança chega a casa, onde se encontra com um assassino, há volta de uma poça de sangue enorme, mas ela na sua inocência de criança não consegue compreender o que se passa, então lida com a situação de uma forma hilariante, aqui está dado o pontapé de saída para duas horas de pura magia.

Mas se ainda tivessem dúvida que estão perante um filme que vos vai ficar na memória para sempre, esperem até aparecer os Fuck Bombers! um grupo de adolescentes que tem como sonho fazer o melhor filme do mundo! Viciados em cinema e sempre com as câmaras na mão a procurar de situações para filmar, acabam por levar o filme para outro nível.

Quando 10 anos mais tarde finalmente tem a oportunidade de o fazer por um momento do acaso (não me vou alongar muito para não estragar nenhuma surpresa) tudo o que sonharam simplesmente acontece, aqueles 20 minutos finais são de uma anarquia deliciosa, o único defeito que aponto-o ao filme será mesmo o uso de sangue em CGI, mas um filme que com duas horas não tem um momento morto merece um estatuto de culto. Obrigado Mr. Sono encontraremos-nos outra vez.