Finis Hominis [1971]

finis-hominis

Marins volta a deixar Zé do Caixão sentado no banco de suplentes para nos apresentar outra personagem em mais um filme que novamente deixa muito a desejar.

Não consigo encontrar razão para uma queda tão grande de qualidade nos filmes de Marins, um começo prometedor com o primeiro filme do Zé, o segundo filme a manter o nível, mas os últimos exemplares são maus demais para se encontrarem uma justificação credível.

Finis Hominis é a estreia de Marins nos filmes a cores, não estou a contar com o inferno no “Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver” pois foram simplesmente alguns minutos, aqui o filme é todo a cores, e talvez seja o único ponto a favor pois por momentos dá-lhe uns toques “Argento” as suas imagens.

A história de Finis Hominis tem uma certa originalidade, um homem aparece nas ruas de Santos vindo do mar profundo. Começa aparecer nos momentos certos para ajudar pessoas em momentos críticos, ajudando assim a criar o mito que é Jesus renascido. Os episódios por vezes parecer ser tirados de situações da bíblia, mas isto é somente a minha interpretação. A parte que deixa o filme aquém das expectativas são os momento que parecem estar no filme só para encher minutos e que pouco ou nada têm de conteúdo, algumas partes completamente sem nexo, já para não falar no teor sexual  que começa a subir de uma forma ridícula, algo que já vem no filme anterior.

Finis Hominis acaba por provocar a sua própria morte devido a ser pouco ambicioso e perder-se demasiado em imagens fúteis, por outro lado o baixo orçamento e os tempos dificies que o Brasil viva na altura em que o filme foi realizado talvez ajude na sua defesa, mas existem filmes feitos em tempos difíceis que ainda hoje sobrevivem ao tempo, Finis Hominis não o faz.

Nota: 5/10