Dark Touch [2013]

dark-touch

Fazer filmes de terror não será a tarefa mais fácil do mundo, na minha modesta opinião será talvez o genéro mais dificil de agradar aos fãs, críticos e estúdios. Parece que tudo já foi inventado, tudo foi criado todas as ideias foram usadas.

Dark Touch não é um filme com ideias novas, não é o salvador do género e muito menos é um filme que se recomende.

O filme tem um começo promissor, não necessita de mostrar violência contra as crianças, basta deixa no ar a ideia que algo está a acontecer. E se uma imagem vale por mil palavras, uma ideia vale por duas mil..

O problema de Dark Touch não é novo nesta nova vaga de terror, tem uma direcção bastante boa, um ambiente bastante negro e um elenco que dá para o gasto mas uma história que não aguenta o tempo necessário, muito devido a mudança brusca no argumento.

Nem todos os filmes necessitam de explicar tudo ao espectador como ele fosse aluno da primeira classe, mas nem todos os filmes merecem deixar só perguntas e nenhuma resposta.

Marina de Van já não é uma directora nova no mundo do cinema, logo podia ter apresentado algo melhor no seu mais recente filme.

Nota: 5.5/10

 

 

Anúncios

The Butterfly Room [2012]

Banner_TheButterflyRoom

Em 2012 na edição do MotelX destacava-se este filme, pelo seu magnifico elenco: Barbara Steele (Black Sunday), Adrienne King (Friday The 13th), Heather Lagenkamp (Nightmare On Elm Street), Camille Keaton (I Spit On Your Grave), P.J. Soles (Halloween), Erica Leerhsen (Texas Chainsaw Massacre).

Para mim bastava ter a senhora Steele essa musa do cinema de terror dos anos 60/70’s. Mas a grande questão era, um elenco tão forte conseguiria ter uma história que acompanha-se o seu elenco? Infelizmente nem por isso.

A história é um pouco confusa, com alguns flashbacks para tentarmos compreender a história que por vezes acaba por não ajudar em nada.

O sentimento de uma mãe que não quer que a sua filha cresça está sempre ao alcance de um ser humano normal, agora temos que ver até onde esse extremismo pode levar alguém é por esse lado que a história desenvolve.

Barbara Steele continua a mostrar que é uma excelente actriz, e mesmo com uma idade já mais avançada acaba por trazer todo o protagonismo a história.

Fica a sugestão para quem quer ver estas “scream queens” entre outras num cenário que não é o seu.

Nota: 6/10