Top “2012” – Alucards Corner

Este slideshow necessita de JavaScript.

Enquanto toda a gente faz top’s de filmes do ano 2012 eu não tenho interesse em fazer nenhum top do género pois para isso existem sites de especialidade, eu simplesmente falo dos filmes que vi e falei no meu blog. Vi filmes de 2012 que me deixaram satisfeito mas foram mais o que não me entusiasmaram  dos que me ficaram na memória, logo fica aqui o meu Top pessoal 2012

1 – La leggenda del pianista sull’oceano

Um dos primeiros filmes que falei no blog, e talvez um dos melhores. Facilmente vai para os meus favoritos de todo o sempre, a história  envolve nos do primeiro ao último minuto. O drama a comédia e a representação de Tim Roth dão a este filme o primeiro lugar ao meu Top Pessoal “2012” por isso.

2 – Tyrannosaur

Se pudesse houver dois primeiros lugares o Tyrannosaur estava lá certamente, ainda não me consegui esquecer das partes mais marcantes de este filme. Simplesmente um dos melhores dramas que tive oportunidade de ver, deprimente mas com uma mensagem infelizmente bem actual.

3 – Hausu

Hausu será sempre daqueles filmes que vai provocar opiniões tão diferentes, uns vão adorar outros vai simples odiar, eu continuo a adorar este filme.

4 – Yellow Sea

O cinema asiático está vivo e recomenda-se, e o Sr. Hong-jin Na está no top dos novos realizadores a seguir com muita atenção. Frenético do principio ao fim este filme não vai deixar ninguém indiferente.

5  – God Bless America

Se os filmes de comédia cada dia parecem cada dia cópias atrás de cópias uns dos outros, God Bless America é uma lufada de ar fresco.

6 – The Raid

O género de acção é mais odiado que amado pelos fãs de cinema, The Raid será amado para sempre pelos fãs de um bom filme de porrada a moda antiga, já não ficava tão satisfeito com um filme de acção desde o tempo que o Tony Jaa fez o Ong Bak 1 e 2.

7 – Mothers Day

Muitas vezes faço questão de realçar que os remakes enjoam-me, talvez porque tenham sempre a ideia de ir pegar nos nossos filmes de infância que tanto adoramos e dar-lhe uns roupagem totalmente idiota. Ora Mothers Day não foi o meu filme de infância nem tenho curiosidade de ver o original, pois o suspense e o terror que este filme colocou no seu remake é de cortar a respiração.

8  – Juan del los Muertos
Adoro filmes de terror/comédia, vindo Juan del los Muertos de cuba e usando um género que tanto adoro e ainda ter a coragem de  colocar uma mensagem politica escondida no meio faz logo a diferença.

9 –  Black Death
Recentemente alguém perguntava se já tinha visto o “Black Death”, visto e mais que aprovado. Os tempos de reflexão que fiz para fazer o meu top, dando tempo para a lógica “existem filmes que tem que se lhe dar um tempo para envelhecer na nossa mente”. Black Death nunca esteve fora do meu top, pelas simples razão de transmitir um história que nos agarra no principio ao fim.

10 – Pit and the Pendelum
Para o último lugar tive que lutar entre diversos filmes, mas optei pelo Pit and the Pendelum por duas simples razões. Vincent Price e Barbara Steele. O Sr. Price não precisava de apresentações ícone dos filmes de terror, deixou-me com uma representação que guardarei para todo o sempre na memória. A Sra. Steele deve ter dado muitos pesadelos a juventude dos anos 60/70. Uma actriz belíssima que ainda consegue juntar algo que hoje já se vé cada vez menos beleza&talento.

Um ano feito de novas descobertas e filmes únicos espero que 2013 continue a poder falar de bons filmes, sejam eles actuais ou tesourinhos escondidos.

Bom ano! E venham mais filmes!

Silent Night: Deadly Night [1984] & Silent Night [2012]

Este slideshow necessita de JavaScript.

O natal já passou mas ontem tive a oportunidade de ver finalmente estes 2 filmes natalícios, no Halloween tentei não falar sobre filmes do mesmo, mas este natal não resisti e vi 2 filmes relacionados com a época, e de uma maneira não “oficial”, porque este não se pode chamar remake oficial, abro aqui uma nova “rubrica” chamada Original vs Remake.

1 – Silent Night: Deadly Night [1984]

História: Depois ver os seus  pais serem assassinados por um homem vestido de pai natal, um adolescente atormentado pelos maus tratos que sofreu no orfanato, vai cometer assassinatos vestido de Pai Natal.

Pseudo-Review: Só pela ideia de meterem uma personagem como Pai Natal assassino merece logo ser visto, quando existem pessoas a queixar-se da falta de originalidade dos filmes de terror nos dias de hoje, um assassino vestido de Pai Natal vai logo para o topo dos serial killers mais clássicos de sempre.

Silent Night: Deadly Night é simplesmente um slasher dos anos 80’s, que tem mortes,mamas e diálogos e actores maus, muito maus.Claro que não acrescenta nada de especial ao que se via naquela altura, mas tem umas mortes originais, o nosso serial killer é capaz de ser um dos piores de sempre em termos de representação, mas são estes pequenos pormenores que fazem a diferença para um filme que nos deixa satisfeitos e aqueles que vemos e nunca mais nos lembramos deles.

http://www.imdb.com/title/tt0088117/

Nota: 6/10

2 – Silent Night [2012]

História: Um serial killer vestido de Pai Natal aproveita uma concentração de pais natais numa cidade remota dos Estados unidos para matar todos aqueles que merecem ser castigados.

Pseudo-Review: Antes demais existe por ai teorias no mundo virtual que este filme não é um remake do filme de 1984 . Eu tive a oportunidade de ver os dois de seguida então posso dizer que não é um remake oficial, mas tem exactamente a mesma ideia, mortes e frases completamente iguais ao filme de 1984.

Obviamente que não se pode comprar um slasher de 84 com um feito em 2012, os tempos são outros, a maneira de filmar,editar ou mesmo os actores que se podem utilizar em 2012 são melhores que em 84, por isto e por outras razões acabei por gostar mais do filme de 2o12. Antes de mais tem como uma das personagens principais Malcolm McDowell[o eterno Alex do filme a Laranja Mecânica], depois temos um serial killer clássico dos anos 80 que não fala, aparece sempre onde menos se espera e mata sem dó nem piedade. Depois não posso deixar de louvar o realizador Steven C. Miller que não recorreu a milhões de efeitos especiais para fazer as mortes, todas elas são de certa forma originais, e um assassino de machado dá sempre outro respeito.

E para terminar em jeito de conclusão o filme acaba por surpreender, pois esperamos um filme igual a tantos que inundam agora os cinemas e os nossos pc’s e mesmo não sendo original, prende-nos durante 1h30 e  no final faz aquilo que o cinema deve fazer entreter o espectador. Logo eu consigo considerar este remake uma lufada de ar fresco, foi pegar num filme provavelmente desconhecido do grande público e criou algo que certamente não iria desiludir o realizador Charles E. Sellier Jr..

http://www.imdb.com/title/tt2347497/

Nota: 6.5/10

Mutants [2009]

Mutants poster

História: Um vírus transforma as pessoas em mutantes..

Pseudo-Review: O cinema francês tem-se destacado nestes últimos anos pelos seus bons filmes de terror. Uma nova geração está a despontar e pode ser que salve este género que ultimamente tem sido muito mal tratado.

Mas parece-me que David Mortel não vai estar nessa nova geração,digo isto somente baseado neste filme que tive oportunidade de ver ontem.

Mutants é o típico filme de zombies(neste caso mutantes) onde uma enorme epidemia se propagou e a maior parte das pessoas morreu ou estão infectadas. A salvação está numa base militar de nome “Noah”, e os nossos dois protagonistas principais Marco e Sónia estão a tentar chegar ao local, infelizmente devido a um pequeno acidente onde Marco acaba por ser mordido, acabam por parar num edifício abandonado onde Sónia tenta a todo o custo salvar Marco de se transformar em “Mutante”. Este será o seu único trunfo em relação ao milhões de filmes de zombies que existem no mercado, o lado sentimental. Posteriormente o filme vai-se arrastando até ao seu final, sem qualquer surpresa adicional para quem está habituado a ver filmes de este género. Deixo só o destaque para a boa maquilhagem dos mutantes e os cenários onde o filme tem a sua acção.

Nota: 6/10

Subconscious Cruelty [2000]

Poster 1

História: Não tem nenhum nenhum fio condutor, que se possa chamar história. São 4 curtas sem qualquer ligação entre elas.

Pseudo-Review: Fiquei mesmo na dúvida se havia de falar de este filme, pois ultimamente andamos a ser bombardeados por filmes “choques” que o único objectivo e enjoar/chocar ou provocar nauseas ao espectadores. Temos exemplos recentes como o Serbian Movie , The Human Centipede (First Sequence) e até me arrisco a colocar um filme que já tive oportunidade de falar por aqui Excision(de uma maneira mais soft), e temos este filme de 2002 realizado por Karim Hussain.

As quatro histórias só tem em comum uma coisa gore e violência extrema, admito que aos primeiros 5 minutos da primeira história pensei que ia estar perante um filme interessante e diferente do que estou habituado a ver, o uso da câmara com grandes planos, as cores a fazer lembrar os conhecidos filmes “art house”.Mas passado algum tempo o filme perde-se totalmente, a segunda história fala sobre uma paixão de um irmão pela sua irmã, os pensamentos filosóficos e os longos monologo tem por um lado um certo interesse, mas termina de um forma abrupta com o parto “forçado” usando então os elementos “choque” onde o sangue e a violência imperam sendo assim no final não nos lembramos de mais nada. A terceira história é ridícula demais nem merece qualquer comentário da minha parte, ou por outro lado provavelmente não “alcancei” a ideia que o realizador queria transmitir e não tenho problemas em admitir tal coisa, pois não sou nem de perto nem de longe um crítico de cinema, simplesmente gosto de partilhar as minhas ideias e filmes que vejo.A quarta e última história talvez seja a mais chocante de todo o filme, usa uma personagem que supostamente seria a representação de Jesus Cristo, a ser violado(pelas próprias tripas), rasgado, comido por 3 vampiras (?), o que levanta sempre uma questão. A facilidade com que se usa e abusa da religião católica para o choque e a apreensão em fazer o mesmo com a religião muçulmana, fica só este apontamento pois não tenho qualquer ligação a nenhuma delas.
Em jeito de conclusão o filme é desinteressante, é 1h20 de espectáculo gratuito de sangue, e órgãos desfeitos, com alguns toques de Art House que podia salvar o mesmo infelizmente esses momentos nem chegam a 5m do filme.

Nota: 5/10

2LDK [2003]

220px-2ldk_poster

História: Nozomi e Lana estão a dividir um apartamento em Tóquio. Ambas são actrizes e tem a oportunidade de fazer um papel principal num filme mas antes da decisão.. elas vão decidir entre elas dentro do próprio apartamento.

Pseudo-review:  2LDK é um filme pequeno[1h09] que está dentro de uma ideia que dois realizadores japoneses  tiveram em conjunto, criar dois filmes sobre duelos. A forma de fazer era usar 2/3 personagens, filmar durante 7 dias e no final só um pode sobreviver. Sim parece um pouco os Imortais mas este filme não tem cabeças decepadas e até pode ser que no final tenham um boa surpresa. A forma como as duas actrizes vão deteriorando a sua relação até chegar ao extremo é feito de um forma sublime, tirando uma parte que parece que o houve ali uma pequena falha na edição de vídeo, o filme é genial.

P.S. – Se alguém tiver curiosidade o outro filme do projecto “Duel” chama-se Aragami.

Movie Quotes

rubber-movie-poster-031

Lieutenant Chad: In the Steven Spielberg movie E.T., why is the alien brown? No reason. In Love Story, why do the two characters fall madly in love with each other? No reason. In Oliver Stone’s JFK, why is the President suddenly assassinated by some stranger? No reason. In the excellent Chain Saw Massacre by Tobe Hooper, why don’t we ever see the characters go to the bathroom or wash their hands like people do in real life? Absolutely no reason. Worse, in The Pianist by Polanski, how come this guy has to hide and live like a bum when he plays the piano so well? Once again the answer is, no reason. I could go on for hours with more examples. The list is endless. You probably never gave it a thought, but all great films, without exception, contain an important element of no reason. And you know why? Because life itself is filled with no reason. Why can’t we see the air all around us? No reason. Why are we always thinking? No reason. Why do some people love sausages and other people hate sausages? No fucking reason.

Creature [2011]

MV5BMTM5Mzk0NzEwOV5BMl5BanBnXkFtZTcwNDYxOTI5NQ@@._V1._SY317_

História: Um grupo de amigos decide ir explorar uma antiga lenda urbana num pantano do Louisiana.

Pseudo-Review: Hoje estive o tempo todo a lembrar-me de “slashers movies”, bem não tinha nenhum por aqui perdido então decidi-me aventurar num “monster movie” algo que atormente vejo pois não lhes consigo achar grande piada, mas Creature em 5 minutos já tinha mudado a minha opinião, logo no inicio temos uma rapariga nua e uma morte violenta era mesmo isto que eu queria ver hoje.

Creature não tenta ser nenhuma obra prima, nem tenta fugir aos clichés clássicos dos filmes de terror, temos sempre o grupo de jovens, temos a paragem nas bombas de gasolina onde alguém os avisa que existe uma criatura que atormenta os pântanos, temos as raparigas em trajes menores,até chegamos a ter um momento de amor entre irmãos. Este filme só tem um pequeno problema tenta a meio do mesmo inventar história a mais, quando se pede algo simples, mas o final é simplesmente genial.. quando temos um dos nossos protagonistas num mano a mano contra a Criatura.. E se ainda não estão convencidos a ver este filme, temos uma actriz chamada Serinda Swan que é uma autentica doppelgänger da Megan Fox.

Só quero deixar um último reparo esta Criatura tem melhor aspecto que o Lizard do novo Homem Aranha, mas agora o CGI parece ser o caminho mais fácil para toda a gente.

Nota: 6/10