Lik Wong [1991]

História: Um jovem com força sobre-humana está preso numa prisão dirigida por funcionários corruptos ele vai usar as suas artes marciais para limpar o sistema prisional.

 

Pseudo-Review:  Lik Wong vai de encontro aquilo que se procura num filme de artes marciais, aquele estilo que por vezes me recorda sempre os jogos que eu adorava na minha antiga mega drive, em que o herói(Siu-Wong Fan) luta contra tudo e contra todos e no final termina sempre com uma mítica luta entre o herói e o boss final. Lik Wong tem cenas de gore quanto baste, tem uma das cenas mais míticas numa luta em que o adversário de Lik Wong utiliza a técnica do Harakiri para retirar o intestino delgado para sufocar o nosso protagonista e além nisso ainda tem sangue aos litros. Na minha modesta opinião a grande falha é mesma a escolha do actor principal pois tem uma cara demasiado limpa e bonita para ser uma autentica maquina destruidora.

Para quem gosta de gore dos anos 90 em que era tudo feito a “mão” e não a computador este é o vosso filme.

Nota: 6.5/10

Surf Nazis Must Die [1987]

História: Quando o neto de uma mulher negra é assassinado por surfistas neo-nazistas num futuro pós-apocalíptico, ela vai caça-los e mata-los numa vingança sem fim.

Pseudo-Review: Surf Nazis Must Die é um daqueles filmes que ouvi falar desde que comecei a ligar ao cinema, até finalmente ter acesso ao mesmo pensei que se tratava de uma “lenda” e que ele  não existia.

Hoje finalmente consegui-o ver, realizado por Peter George e saído dos míticos estúdios da Troma(conhecidos pelos seus filmes de baixo orçamento e de série B) o filme desilude.. Porque? Por não ser o típico filme de série B que eu procurava, sangue em grandes quantidades , gore mal feito, sexo e nudez sem qualquer sentido, este filme não tem nada disso.. alias só os últimos 10minutos tiveram esse tipo de qualidade o restante foi simplesmente diálogos..e mais diálogos e mais um pouco de conversa. As minhas expectativas também estavam demasiado altas talvez por estar finalmente a ver o filme que me perseguiu durante tanto tempo.

Bem parece que os filmes relacionados com Nazis ainda não me conseguiram surpreender, depois de Iron Sky, SNMD também não foi ao encontro dos meus desejos.

Mas para não parecer que tudo foi mau no filme quero realçar a excelente banda sonora totalmente 80’s  que parece ser feita em piano MIDI é mais que suficientes para me convencer.

Nota – 5.5/10

Eleanor “Mama” Washington: Taste some of Mama’s home cookin’, Adolf!

Harakiri [1962]


Existem filmes que não tenho coragem de tentar fazer qualquer review pois provavelmente não iria encontrar um texto suficiente bom para descrever o que senti a ver este maravilhoso filme, logo simplesmente para Harakiri destaco só a excelente representação de Tatsuya Nakadai, a realização do Sr. Masaki Kobayashi, a fotografia, os cenários a história.. basicamente tudo! Vejam!

Nota: 9.5/10

 

Kyatapirâ [aka Caterpillar] [2010]

História: Durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa, em 1940, o tenente Kurokawa regressa a casa como um soldado honrado e decorado … mas volta sem os seus braços e pernas perdidos em combate na China. Todas as atenções, desde os homens da aldeia  as mulheres e aos familiares mais próximos, voltam-se para Shigeko, a mulher do tenente: ela deve honrar o imperador e o seu país sendo um exemplo para todos, cumprindo o seu dever e cuidar do “soldado de Deus”.

Pseudo-Review: Realizado por Kôji Wakamatsu(que infelizmente morreu no recente mês de Outubro), Caterpillar é capaz de ser um dos filmes mais dificies de assimiliar que vi recentemente, não por ter uma história demasiado complexa mas sim pela carga emocinal que vai transmitido ao longo do filme.

A forma como Kurokawa sobrevive e vai vivendo a sua vida durante o filme é um retrato fiel do que os soldados devem sofrer quando voltam a casa debilitados. Este filme é um manifesto anti-guerra sem precedentes, o soldado recebe 3 medalhas por serviço ao seu país que consiste em matar, violar e pilhar em outros países. Ao longo do filme vamos percebendo que Kurokawa não é nenhum herói nem antes nem durante a guerra. O mais interessante além do uso de vídeos reais em algumas partes do filme para mostrarem a derrota do Japão na segunda guerra mundial, é a forma como novamente as pessoas se deixam levar em apoios sem precedentes a uma guerra que teve o final que se sabe..

Aconselho a quem não tem estômago “fraco”, e não se deixa impressionar facilmente.

Nota – 7.5/10

Perfect Blue [1997]

Perfect Blue encaixa-se perfeitamente na minha ideia que os filmes de anime são para adultos[sim até mesmo os do Miyazaki tem mensagens que por vezes duvido que algumas pessoas lá cheguem se não tiverem uma faixa etária mais elevada], e as séries para crianças/jovens. A história é simples Mima deixa o grupo  CHAM, a fim de prosseguir o seu sonho como actriz. Mima começa por fazer papeis mínimos mas aos poucos vai ganhado o seu espaço no mundo do cinema, principalmente depois de fazer uma cena em que é violada. Este filme usa um argumento que já se viu em muitos filmes, a dupla personalidade da personagem principal que nos deixa confusos em saber o que é verdade e mentira, se tudo não passa de uma ilusão ou estamos mesmo a viver a realidade, agarra-nos no principio ao fim e não tem tempos mortos, se não fosse a parte final em que entramos numa cena demasiado irrealista o filme estaria perto de ser perfeito.

Para fãs de thrillers psicológicos e como li por ai de filmes do mestre Alfred Hitchcock, Perfect Blue não desilude.

Nota: 7.5/10

Bal-Can-Can [2005]

História: Um desertor macedónio e seu irmão de sangue italiano percorrem o submundo do crime nos Balcãs, a procura do cadáver da sua sogra, que se encontra enrolado dentro de um tapete roubado.
Pseudo-Review Depois de mais umas incrusões pelos filmes de hollywood como o novo de Oliver Stone(Savages) e outros que tenho vergonha de falar que vi, virei-me para o cinema Macedónio. A minha cultura cinematográfica de filmes vindos do lado dos Balcãs é simplesmente o “Gato Preto Gato Branco” do Kusturica, e como não me tinha desiludido em nada, até posso confessar que talvez tenha sido um dos melhores filmes que tive a oportunidade de ver o ano passado dei uma oportunidade a este filme realizado por Darko Mitrevski.

Falar sobre a guerra dos Balcãs e todas as suas razões para tal acontecer de um forma leve e descomprometida como este filme faz é o seu ponto alto. Usando diálogos simplesmente bizarros mas ao mesmo tempo geniais para “desmascarar” a lavagem cerebral que por vezes as pessoas levam a encaminhar-se para as guerras é outro ponto a favor de este filme. O road trip pelos Balcãs e pelo o seu submundo do crime e as personagens que os nossos protagonistas vão encontrado é a “cereja no topo do bolo”.  Darko Mitrevski consegue pegar num assunto sério como a guerra e fazer comédia com isso. A fazer lembrar-me por momentos o genial “No Man’s Land”.

Com uma carreira ainda feita de poucos filmes, espero no futuro poder encontra-me novamente com o Sr. Darko Mitrevski, pois já nem o Sr. Stone me dá prazer em ver os seus filmes.

Nota – 7.5/10

Fuck Up [2012]

Quando chega o Halloween toda a gente tira o pó aos filmes de terror, como eu tenho a mania que sou diferente decidi tirar o pó a um filme Norueguês, devia ter feito o mesmo que os outros..

História : Um grupo de amigos que se conhecem desde a infância juntam-se no bar a espera de Gleen um amigo que lhes pediu dinheiro emprestado para comprar um carro, infelizmente para eles o que ele fez foi comprar 3.8kg de cocaína .Ao voltar para a cidade natal vai contra um veado e despista-se, acaba no hospital e o carro apreendido pela policia. Jack vai tentar resgatar a cocaína e manter o seu amigo vivo..

Bem quando me volto para o cinema europeu estou sempre a espera de historias mais humanas, diálogos diferentes, personagens diferentes. Mas infelizmente parece que o vírus da “não” originalidade já afectou também este lado. Um filme comparado facilmente com qualquer filme dos Coens( que felizmente ainda sabem o que fazem ) mas parece uma daquelas cópias baratas mal feitas. Infelizmente a história não e cativante, nem as suas personagens. Para fans dos filmes dos irmãos Coen mas quer ver algo falado em norueguês

Nota – 5.5/10