1376 – Johnny Got His Gun [1971]

Quantas vezes metemos as nossas expectativas demasiado altas para um filme? Eu pelo menos meto diversas vezes, é o grande erro de ler as reviews de outras pessoas que nos deixam com a perspectiva que vamos assistir a uma obra prima de outro mundo.

Johnny Got His Gun encaixa que nem uma luva nesse tipo de filmes, li diversas criticas que apontavam que tivéssemos perante um dos melhores filmes do século 20, claro que podem sempre dizer “não entendeste o filme” que é a frase mais clássica quando alguém fala mal de uma coisa que nós gostamos, eu próprio admito que já o fiz em alguns filmes.Mas adiante..

Johnny Got His Gun conta-nos a história de um soldado que se oferece como voluntário para a primeira guerra mundial, acabando por ser ferido em combate e ficando sem braços e pernas. John passa simplesmente a ser um bocado de “carne humana” que não consegue comunicar com ninguém. O filme tem a duração de 1h48 em que vamos viajando pelos sonhos/pesadelos de John sem nunca sairmos do mesmo sitio.. por vezes parece que estamos perante uma “bad trip”, a interpretação deixa um pouco a desejar de todos os lados.. Logo a ideia que nos podemos sentir o que o John sente é impossível, pois não consegue criar nenhuma empatia.. tristeza pela personagem principal, logo talvez tenha sido a parte que menos me agradou em todo o filme.

Para mim o melhor do filme é mesmo a parte final, não porque estava já um pouco saturado e queria que o filme acaba-se. Mas sim porque acaba com uma situação que infelizmente ainda hoje deve acontecer em diversos países.

P.S. – Pensei que este filme fosse mais conhecido, pois a música dos Metallica – One usa imagens de este filme. Funny fact li numa critica que se virem o videoclip não precisam de ver o filme pois ele descreve aquilo que o realizador quer passar no filme.

Nota – 6/10

1375 – Tyrannosaur (2011)


Quantas vezes dou por mim a procura daquele filme de qualidade que me vai deixar a pensar durante vários dias.. Imensas vezes alias os mais de 200 filmes que tenho em “atraso” para ver são o exemplo nisso.

Tyrannosaur fez que a minha espera acaba-se, e em boa hora. Paddy Considine já este ano me tinha surpreendido no excelente filme Dead Man Shoes como actor, agora deixa-me completamente de boca aberta ao realizar e a escrever este filme.

Tyrannosaur não é um filme para pessoas sensíveis, não é um filme para pessoas que não querem ver a realidade, não é um filme de “paninhos quentes”, mostra-nos simplesmente a realidade, pura e crua e é nesse aspecto que o faz roçar a sua perfeição.

Peter Mullan e Olivia Colman fazem o filme, de tal forma que chegamos a “entrar” dentro das personagens, dei por mim a tremer em momentos de emoções mais fortes.

Façam um favor a vocês próprios, não leiam a história não leiam criticas do filme, simplesmente sentem-se apreciar esta obra prima. Pois no meio de tantos efeitos especiais e paneis verdes ainda existem pessoas no cinema que nos conseguem dar simplesmente uma boa história sem artifícios desnecessários.

Nota: 9/10 (Não leva 10 pois isso fica guardado sempre para as grandes obras.. mas provavelmente daqui a uns anos chegará a essa nota)