MotelX 2012

Programação de este ano já online, como nas edições anteriores irei ver 5 filmes, este ano a escolha estava a parecer fácil a primeira vista mas posteriormente tornou-se demasiado dificil.

Depois colocarei aqui as minhas escolhas quando vir os filmes em questão..

Para ver programa basta carregar na imagem.

1360 – House of Games [1987]

Existem filmes que serão clássicos esquecidos sempre, provavelmente House of Games ficará dentro de essa categoria injustamente pois estamos perante uma obra de respeito que podia simplesmente estar nessa categoria sem ter que se esforçar.

House of Games era daqueles filmes que tinha tudo para não falhar, realizado e escrito por David Mamet que dentro da sua já longa lista de filmes realizados e escritos tem para mim aquele que foi durante a minha juventude um dos meus filmes favoritos The Untouchables.

Este filme conta-nos a história de uma psicóloga que decide ir até a um salão de jogos tentar ajudar um dos seu pacientes que tem uma divida enorme com a personagem Mike(Joe Mantegna), quando tem o seu primeiro encontro com Mike apercebe-se que nada é o que parece e depois de escapar a uma tentativa de extorsão  por parte do grupo de vigaristas que Mike pertence, entra numa espiral de eventos que se finalizara com um final surpreendente.

House of Games é um thriller psicológico e dramático em certos pontos, onde Mike(Joe Mantegna) e a psicóloga Margaret Ford (Lindsay Crouse ) usam e abusam do dialogo sem nunca cair do aborrecimento.

Sem dúvida que brevemente estará no topo dos clássicos se nunca tal acontecer, vejam pois não se vão arrepender.

Nota – 8/10

1357 – Boo Dang Geo Rae [2010]

A saga de chegar aos 1400 filmes vistos até ao final do ano continua, por vezes dou por mim a ver filmes que já tenho a tanto tempo no meu disco já nem sei porque.
Boo Dang Geo Rae era um deles, depois de uma rápida pesquisa no imdb.com descobri a razão porque o tinha, argumento de Hoon-jung Park [que também escreveu o I Saw The Devil esse filme que ainda hoje recomendo a toda a gente que ainda não tenha tido a oportunidade de ver]. Para desanuviar dos filmes de terror decidi também procurar algo diferente.

A primeira meia hora do filme é um pouco confusa que me deu vontade de desligar e adiar para outro dia a sua visualização, pois a informação é demasiada e de uma maneira pouco concisa,o que se não tiverem mesmo ligados ao filme podem perder alguma história importante para o resto do mesmo, felizmente passado esse tempo inicial a história começa a formar-se de um forma mais simples. Ora bem existe um assassino de crianças a solta que está a provocar grande alvoroço na Coreia do Sul a policia está sobre uma pressão para descobrir o culpado. Para essa “missão” é destacado um detective que está constantemente a ver a sua promoção a ser adiada, perante a oferta de que se resolver este caso a promoção está garantida ele não vai olhar a meios de forma a atingir o seus objectivos.

É um filme com 2 horas que podia ter sido provavelmente um pouco mais curto,(se não tivessem perdido tempo com algumas coisas para dar minutos ao filme) mas durante a sua longa duração mostra-nos a cumplicidade com que o poder politico/judicial e até empresarial se juntam para atingir os seus objectivos.

Num mundo em que cada dia que passa o “eu” passou a ser mais importante que o “nós”, este filme representa fielmente essa realidade.

Um filme de acção e thriller a boa maneira coreana, não lhe dedico a ideia de ser um must see, mas também não se irão arrepender se o virem.

Nota – 6.8/10

Movie Quotes – Despicable Me

Gru: We have located a shrink ray in a secret facility. And once we procure it, we will have the capability to pull off the TRUE crime of the century! We are going to steal…
[the minions pull out weapons]
Gru: Wait, I haven’t told you what it is yet.
[a rocket launcher fires and hits one of the minions]
Gru: Hey, Dave! What have I told you?
[the hit minion walks over to Dave and punches him]
Gru: [Gets on platform as it rises up to the roof] Next, we are going to steal… pause for effect…
[Platform stops so that Gru is silhouetted against the moon]
Gru: … the MOON!
[Minions cheer]
Gru: And once I have the moon, the world will give me whatever I want to get it back, and I will be the greatest villain in the world! That’s what I’m talking about!

Duplo F! [1351 Feast 1 & 1354 Frozen]

O que é Feast? Parece que é um filme de 2006 em que um grupo de pessoas homogéneas esta no bar a relaxar, quando de repente entra um homem com uma shotgun em punho a anunciar que o Apocalipse anda lá fora e vem naquela direcção para matar toda a gente.. Bem não será bem isso que ele diz mas não anda muito longe.

O argumento parece ter sido escrito pelos criadores do “Lost” com a quantidade de personagens que somos bombardeados logo de inicio, mas para não nos confundirmos a decorar nomes ou a tentar perceber que tipo de personalidade essas pessoas tem, o realizador trata logo de matar meia dúzia nos primeiros 30 minutos.

Comecei a ver este filme porque li que se encaixava no género de horror/comédia que é um estilo odiado por muitos, mas para mim é algo que me fascina, mas Feast encaixa-se mais numa festa de sangue,tripas e violência que parece ser o rumo que os filmes de terror actuais levam. Talvez para estômago mais sensíveis podem sentir que o vómito se aproxima mais rápido que o sangue que jorra de cada personagem que é morta durante o filme, mas para pessoas que já começam habituar-se a este tipo de violência gratuita(eu) não é nada de extraordinário.

A meio do filme comecei a lembrar-me do From Dusk Till Dawn, o ambiente, a história as mortes, logo se gostaram de esse filme vejam este pois é relativamente a mesma coisa mas com uns monstros um pouco mais feios.

Nota – 6/10

Um facto interessante, tinha este filme para ver já algum tempo mas fui adiando nem sei muito bem porque. Segundo facto interessante só depois de terminar o filme descobri que o mesmo era realizado por Adam Green (o mesmo realizador de Hatchet). Terceiro e último facto não é um festival de gore com sangue ao estilo de Hatchet é sim uma tentativa de fazer um filme parecido com o tubarão mas na neve. Alias esta é a critica que toda a gente lhe faz.

Como já tive oportunidade de referir ultimamente gosto mais de filmes de terror real, algo que podia mesmo acontecer a qualquer um, como ir fazer esqui e snowboard, ir num teleférico para o topo da montanha e ele parar,nunca por obra do acaso até penso que nesta parte esta bem construida a ideia e ninguem saber que lá estamos..

O problema de Frozen é a sua longevidade se o filme tivesse menos 30m era um must see para fans de filmes de terror real/suspense, tem momentos que realmente começamos a fazer o jogo “o que eu faria no lugar deles”, mas passado 1 hora já não estamos a pensar nesse jogo mas sim “quando acaba isto”. Outra parte que falha redondamente no filme é os dialogos, conversas sem grande interrese que acabam também por tirar um pouco de interrese ao filme.

Não deixa de ser um filme interresante mesmo que se pronlogue demasiado, tendo alguns bons momentos de suspense que fazem corar muitos filmes de terror mais mainstream.
Dupla Nota:

7/10 – Se o filme tivesse 1h
6/10 – Por 30 minutos completamente desnecessários, diálogos sem grande conteudo e fim previsivel.

1348 a 1350 – Tripla Dose!

Bem dia de folga dá para muita coisa, ontem deu para 3 filmes.. aqui vai a Tripla dose da semana

Hatchet(2006)

Hatchet foi realizado por Adam Green em 2006, e para começar não podem levar este filme a sério. Isto representa o total tributo aos filmes de terror dos 80’s, e para mim está de parabéns ao menos este realizador não anda por ai a fazer remakes de filmes que estão bem como estão..

A história de Hatchet não é novidade, um grupo de turistas decide embarcar numa excursão por um pântano que se encontra fechado ao público devido ao desaparecimento de pessoas naquela área. Nessa viagem descobrem que existe a lenda de Victor Crowley um rapaz que nasceu desfigurado e um dia por acidente é morto pelo pai com um machado e que desde esse dia ele vive no pântano a procura do pai, no momento em que o barco fica encalhado os nossos turistas ficam a mercê de Victor.

Como disse anteriormente eu não levava este filme a sério, vejam como um grande momento descontracção e um pequeno tributo ao Sexta Feira 13, Pesadelo em Elm Street, Halloween todos os grandes clássicos do cinema de terror, este filme tem sangue,tripas e até algumas mamas a mostra.

P.s. É engraçado vermos Joel Murray a fazer de um empresário de vídeos porno depois de ter feito o God Bless America.

Nota – 6.5/10

http://www.imdb.com/title/tt0422401/

My Enemy’s Enemy(2007)

Como já deu para perceber um dos meus grandes hobbies é ver filmes, mas a história e tudo o que envolve o século 20 será talvez a minha grande paixão. Quando tive a oportunidade de encontrar este documentário sobre Klaus Barbie(um oficial das SSconhecido pela brutalidade com que torturava os seus prisioneiros), não pude conter a minha alegria.

Estamos perante um excelente documentário histórico que peca talvez pela sua pouca duração 1h21 que leva a condensar demasiado a história em alguns momentos.

Se forem fâns da segunda guerra mundial e quiserem um documentário imparcial(mesmo que por vezes pareça que esta a culpar novamente os americanos pelo mal todo do mundo) está aqui uma boa obra documental.

Nota – 7/10

http://www.imdb.com/title/tt0896952/

El aura (2005)

Para terminar a minha dose tripla de ontem, fechei com um filme argentino, admito que não é a minha área de maior conhecimento, alias essa mesma  baseava-se em dois filmes antes de ver El Aura. Phase 7 e El secreto de sus ojos

Este filme foi realizado por Fabián Bielinsky e conta-nos a história de um taxidermista, calmo e cínico, que sofre ataques de epilepsia, e está obcecado com a cometer o crime perfeito. Ele afirma que os policias são estúpidos demais para descobrir sobre isso quando é bem executado, e que os ladrões são demasiado estúpidos para executá-lo da maneira certa, e que ele poderia fazê-lo porque tem uma  memória fotográfica fora de comum e suas habilidades de planeamento estratégico fora do normal. Um dia é convidado por um amigo para ir caçar e num acidente vé a oportunidade para fazer o crime perfeito.

Penso que este filme pode dividir opiniões a minha sinceramente encontra-se ainda um pouco mal formada, mas mesmo assim decidi arriscar colocar já aqui, pois posteriormente sei que me iria esquecer..

O crime perfeito não existe e a nossa personagem principal vai saber isso da pior maneira, estamos perante um thriller interessante mas que para o final torna-se um pouco previsível. Se gostam de thriller com uma boa história mesmo que por momentos se torne básico o que vai acontecer aqui está um bom filme, se são daquelas pessoas que conseguem adivinhar tudo nos primeiros minutos, bem podem passar a frente.

Uma pequena nota, li em vários sites da especialidade criticas positivas a actuação da nossa personagem principal interpretado por Ricardo Darín mas para mim ao fim de algum tempo até se torna maçador.

Nota – 7/10

http://www.imdb.com/title/tt0420509/

Melhor Concerto?

Andava a vaguear no meu fórum favorito sobre metal, e existe um tópico que se chama “Melhor concerto de sempre”, meti-me a pensar qual seria o meu.. Bem tenho alguns em carteira felizmente.. mesmo com a falta de tempo ainda consegui ver algumas coisas memoráveis.. e ver o Roger Waters com o The Wall – 30 Anos é uma delas.

Obrigado Roger, Volta Sempre..

1346 – Black Death (2010)

Para começar adoro a época medieval, e gosto de filmes que retratam esses tempos sem grandes “floridos” com princesas e príncipes, e Black Death encontra-se dentro do estilo que gosto de ver.

Black Death passa-se no séc. 13 e inglaterra está a ser devastada pela peste negra, uma aldeia encontra-se livre de tal epidemia, o bispo envia uns emissários para descobrirem o que se passa nessa aldeia, pois desconfiam de bruxaria. O monge Osmund é “recrutado” para guiar os emissários até essa aldeia.

Para mim uma excelente surpresa, com uma história bem construída, em que nos deixa questões no ar, com diálogos sobre a religião muito bem construídos e  a ter momentos que me fizeram lembrar o livro Silencio de Shusaku Endo em que a renegação a fé crista pode trazer a salvação.

Não estamos perante um filme de terror conforme eu esperava, pois foi com essa expectativa que vi este filme, mas sim perante um filme sobre a religião crista, o que nos leva acreditar e a defender e o que nos pode fazer desacreditar.

Christopher Smith começa-me a surpreender, depois de Severance(que era um tributo ao gore), Triangle(que tive oportunidade de falar no meu blog quase no inicio), e agora com este Black Death coloco-o no grupo restrito de realizadores que me deixam curioso para saber o que vão fazer a seguir.

Nota – 7.5/10

http://www.imdb.com/title/tt1181791/